Este é o blog da Sociedade Paraibana de Arqueologia. Contato: sparqueologia@gmail.com

domingo, 16 de agosto de 2009

Depredação em Cemitério Indígena na Serra de Bodopitá

No dia 29 de julho partiu de Campina Grande uma equipe conjunta de membros do Laboratório de Arqueologia e Paleontologia da UEPB e da Sociedade Paraibana de Arqueologia, formada por Juvandi de Souza Santos, Vanderley de Brito, Thomas Bruno Oliveira e Erik de Brito, com destino ao município de Queimadas-PB, distante 18km, para averiguar uma denúncia do estudante de História da UEPB, Odoberto Cândido Pequeno, sobre depredação de alto grau no sítio arqueológico Loca, um abrigo-sob-rocha no alto da Serra de Bodopitá que serviu de necrópole para sociedades indígenas.


A equipe se juntou ao denunciante na cidade de Queimadas e subiu a Serra até o abrigo rochoso, que está localizado nas cercanias da zona urbana. Os pesquisadores constataram que esta necrópole indígena, assim como seu contexto natural circundante, de fato, foi muito vandalizado. Um empresário local é o responsável pela destruição para fins de aproveitar o abrigo rochoso para o empreendimento de construção civil, não se sabe ainda ao certo que tipo de empreendimento.

O cemitério do Loca recebeu profunda terraplanagem e algumas pedras do interior do abrigo, que certamente se apresentavam como obstáculo para o empreendedor, foram dinamitadas. A descaracterização foi total e segundo foi informado à equipe, houve a retirada de um saco de ossos humanos neste revolvimento de solo. No momento da visita da equipe não havia ninguém no local para prestar quaisquer informações sobre o vandalismo. Uma rápida prospecção de superfície revelou cerâmica indígena, faiança e ossos humanos, até parte de uma calota craniana foi resgatada sobre o sedimento revirado que se encontra no LABAP/UEPB.

Depois de verificar o estado do sítio, a equipe se dirigiu à Secretaria de Cultura e Turismo do Município para notificar o caso. Na oportunidade realizou-se uma reunião com o coordenador de Ação Social Antônio França da Silva e o estudante Wagner Falcão, representando o Projeto Rondon que está atuando na cidade, a Prefeitura se comprometeu em protocolar um ofício junto à Promotoria Pública Municipal notificando esse crime ambiental, espeleológico e arqueológico na Serra de Bodopitá.

No dia seguinte, o arqueólogo do LABAP - SPA, Prof. Juvandi Santos, também levou denúncia ao Ministério Público Estadual solicitando investigação. O crime ao patrimônio arqueológico é sem precedentes, o ato, segundo Vanderley de Brito “é o mesmo que rasgar páginas de um livro que nunca foi lido, tornando ainda mais insondável à percepção e o estudo de como viveram nossos ancestrais pré-históricos”. “A pré-história é um quebra-cabeça que estará sempre por ser montado e quando se depreda um sítio, o entendimento do passado fica comprometido” afirmou Thomas.

No Brasil, diversos casos semelhantes, infelizmente, vêm sendo notificados e na maioria dos casos, os responsáveis são penalizados em um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) onde um salvamento arqueológico é imposto. No caso do sítio pré-histórico Loca, quem está devidamente habilitado a realizar a atividade de salvamento é o arqueólogo Juvandi, através do Laboratório de Arqueologia e Paleontologia da UEPB. “Nós possuímos no laboratório todo o equipamento necessário para empreender a atividade, pessoal devidamente qualificado e a autorização federal para salvar o que resta deste testemunho arqueológico” afirmou Juvandi. Esta autorização foi dada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN ao LABAP/UEPB em dezembro último e o salvamento do que ainda resta no Loca é o mínimo que se pode fazer para reparar este imenso dano causado por mais uma depredação de nosso patrimônio cultural.

Fonte: Boletim Informativo da SPA, Nº 36, p.5-6.

1 comentários:

Márcio Vieira,  25 de agosto de 2009 21:19  

É lamentável assistirmos ao desaparecimento gradativo de nossos sítios arqueólogicos. Infelizmente o descaso e o vandalismo têm apagado, de maneira irreversível, o testemunho milenar de uma rica civilização que habitou essas terras, deixando um legado cultural de imensurável valor para a humanidade. Espero que as autoridades constituídas venham a coibir tamanha depredação.

Leia por assuntos

Boletim da SPA eventos Arqueologia evento Pedra do Ingá IHGP História Patrimônio Vandalismo Lançamento Paleontologia Rev. Tarairiú Campina Grande Centro Histórico João Pessoa Revista Eletrônica Arte IHGC Juvandi Tarairiú Carlos Azevedo Homenagem Livro Museu Arqueologia Histórica Artigo Cariri Diário da Borborema Arquivo Espeleologia História da Paraíba Inscrições Rupestres MHN UEPB Nivalson Miranda Pesquisas Vanderley Arte Rupestre Encontro da SPA Evolução Exposição Fósseis Itacoatiaras LABAP Patrimônio Histórico Soledade São João do Cariri Thomas Bruno Achado Arqueológico E-book Falecimento IPHAEP IPHAN Missões Projetos Queimadas Raul Córdula SBE Semana de Humanidades Serra de Bodopitá UEPB UFCG Vale dos Dinossauros Acervo Antropologia Arqueologia Experimental Barra de Santana Brejo Cabaceiras Capitania da Paraíba Cartilha Clerot Cordel Descaso Escavação Estudos Evolutivos FCJA Forte Ingá Itatuba Lagoa Salgada Memórias Natal Niède Guidon Palestra Patrimônio Arqueológico Pesquisador Piauí Serra da Capivara Serras da Paraíba São João do Tigre UBE-PB USP Uruguai Walter Neves África ALANE ANPAP APA das Onças Amazônia Amélia Couto Antônio Mariano Apodi Araripe Areia Arqueologia Industrial Arqueologia Pública Aula de campo Aziz Ab'Saber Bacia do Prata Belo Monte Biografia Boqueirão Brasil CNPq Camalaú Caraúbas Carta circular Casino Eldorado Ceará Cemitério Comadre Florzinha Concurso Cozinhar Curimataú Curso Curta-metragem Datação Dennis Mota Descoberta Dom Pedro I Dossiê Educação Ambiental Educação Patrimonial Elpídio de Almeida Emancipação política Espaço Cultural Esponja Exumação Falésia do Cabo Branco Fazendas de gado Feira de Campina Grande Fonte Histórica Forte Velho Funai Gargaú Geografia Geologia Geopark Guerra dos Bárbaros Guilherme História Viva Hominídeo IHCG IHGRN IPHAN-RN Ipuarana Jesuítas Jornal da Ciência José Octávio Juandi Juciene Apolinário Laboratório Lagoa Pleistocênica Lagoa de Pedra Lajedo de Soledade Linduarte Noronha Litoral Luto MAC Mato Grosso Matéria de TV Memórias do Olhar Mostra Museu Itinerante Ocupação humana Olivedos PROPESQ Paleo Paraíba Pará Pe. Luiz Santiago Pedro Nunes Pernambuco Pilões Pleistoceno Pocinhos Ponto de Cultura Projeto Catálogo Pré-História Pré-História submersa Quilombola Reivindicação Reportagem Revista Rio Paraíba SBP SBPC Santa Luzia Sebo Cultural Seminário Semiárido Seridó Serra Branca Serra Velha Serra da Raposa Serra das Flechas Sertão Sessão Especial Sobrado Sumé São Mamede São Thomé do Sucurú Sócios TAAS Teleférico Terra Tome Ciência Técnicas Cartográficas UEPB Campus III Uol pelo Brasil Zonas arqueológicas caiabis mundurucu usina Índia Índios âmbar

Visitas desde SET 08

Translate

Estatísticas do google 2011

  © Arqueologia da Paraiba

Back to TOP