Este é o blog da Sociedade Paraibana de Arqueologia. Contato: sparqueologia@gmail.com

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Jornal da Paraíba exibe matéria sobre destruição do patrimônio de CG


Destruição e reforma de prédios ameaçam patrimônio histórico*


Alberto Simplício

Conhecida por ter como característica a vocação para o progresso, em nome da modernidade, parte da história de Campina Grande, estampada em suas ruas, casarões e prédios antigos, está se perdendo com o tempo. As reformas empreendidas para dar espaço a construções modernas acontecem de maneira deliberada sem que haja um acompanhamento técnico que garanta a coleta de vestígios históricos, bastante comuns em escavações. Um prejuízo que, segundo a Sociedade Paraibana de Arqueologia (SPA), faz com que partes importantes da história da cidade deixem de ser revelados e se percam para sempre.

De acordo com o historiador Thomas Bruno Oliveira, um dos diretores da SPA, o tombamento do centro histórico de Campina Grande, feito em 2004 pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado da Paraíba (Iphaep), não tem garantido o que há de mais legítimo neste processo: a valorização das áreas demarcadas e a garantia de sua existência para posteridade. Um dos exemplos mais recentes dessa realidade, de acordo com ele, foi a introdução de dutos subterrâneos para telefonia e internet no centro da cidade, que perfurou áreas pertencentes ao patrimônio histórico da cidade.
Ele avalia que a importância da obra é inquestionável, mas não houve nenhum profissional monitorando as escavações. “Certamente havia uma infinidade de vestígios de nossos pretéritos habitantes, antigas fundações e estruturas, louças, objetos de metal e outros vestígios que poderiam nos dar pistas preciosíssimas sobre a história da cidade”, comenta.

Juvandi Santos é doutor em Arqueologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS) e vice-presidente da SPA. Ele diz que é revoltante a maneira como o patrimônio histórico de Campina Grande está sendo tratado. “Cotidianamente, flagramos derrubadas de casas para dar espaço a construções modernas ou até mesmo estacionamentos. Na rua Vila Nova da Rainha, por exemplo, praticamente não identificamos traços da nossa arquitetura antiga, apesar de ter sido ali que a cidade começou. Um dos últimos exemplos é o da casa onde funcionava o Sistema Nacional de Emprego (Sine), que conserva o estilo inglês”, cita. Durante visita da reportagem do JORNAL DA PARAÍBA ao local, verificou-se que a área está servindo como estacionamento e “dormitório” para mendigos, o que evidencia seu abandono.

O pesquisador também disse que há um acelerado processo de derrubada de vários “castelinhos” estilo inglês, localizados na região próxima ao Açude Velho. “Estamos protocolando uma ação no Ministério Público (MP) para impedir que o patrimônio histórico de Campina seja apagado”, explica. Ele diz ainda que na rua Irineu Jóffily, por exemplo, este ano, duas das poucas casas que conservavam traços de sua arquitetura antiga foram derrubadas e que, na Rua Getúlio Vargas, recentemente, houve a demolição da antiga fábrica de óleo Medeiros Cirne. Cita ainda que muitas lojas da Rua Maciel Pinheiro não estão respeitando as características do estilo francês art déco, característico das décadas de 1930 e 1940.

Resquícios de um passado de progresso

Próximo ao cartão-postal mais conhecido de Campina Grande, o Açude Velho, a chaminé preservada no Parque da Criança e a antiga chaminé próxima da Estação Velha, são os últimos remanescentes do antigo parque industrial da cidade. Até pouco tempo, existia uma outra construída no local onde funcionava a fábrica da Caranguejo, mas ela foi demolida para que lá sejam erguidos edifícios. As ruínas da antiga Sambra, símbolo dos tempos áureos do algodão em Campina Grande, referente à primeira metade do século passado, também já não existe. O prédio da antiga fábrica têxtil, localizada em frente da igreja de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, no bairro de Bodoncogó, é outro que está com os dias contados. Enquanto nada é feito, a estrutura antiga dá sinais de que vai ruir em breve.

Segundo Juvandi Santos, toda a área próxima ao Açude Velho abrigava diversas indústrias alimentadas, sobretudo, pela cultura algodoeira. “Precisamos preservar melhor nossa história, o progresso pode perfeitamente se aliar ao passado, um não é contrário ao outro”, salienta. Os armazéns da Estação Velha, que há algum tempo abrigaram restaurantes e lanchonetes, atualmente estão abandonados. Apenas um deles continua funcionando como um bar, os demais estão desmoronando e sendo tomados por usuários de drogas e moradores de rua. O antigo Cassino Eldorado, na Feira Central, e o antigo Cine Capitólio também simbolizam uma época de efervescência cultural movida pelo grande progresso econômico da primeira metade do século passado e hoje estão abandonados. “Não podemos ficar parados enquanto assistimos a essa destruição”, diz Juvandi. (AS)

Seplan deverá notificar proprietários de edifícios

Recentemente, uma reunião realizada entre o Ministério Público de Campina Grande, a Prefeitura Municipal, a Secretaria de Planejamento (Seplan) e o Iphaep, acertou um acordo para tentar frear a destruição do patrimônio histórico da cidade. De acordo com o arquiteto da Seplan, Alselmo Martins, será feita uma notificação junto a todos os proprietários de prédios históricos localizados no Centro comercial da cidade sobre as normas que eles devem seguir para não agredir os traços da arquitetura art déco, estilo que fez parte de um projeto de modernização da cidade, na década de 1930, durante a gestão do prefeito Vergniaud Wanderly.

“O Iphan vai realizar um levantamento de todos os prédios com valor histórico e emitir um normativo para orientar que tipo de mudanças podem ser feitas para garantir que o patrimônio histórico não seja destruído”, explicou.
Martins também informou que as notificações devem atingir também todas os proprietários de casarões e prédios históricos inseridos na área delimitada pelo Iphaep.

“A intenção é assegurar a conservação desses prédios”, afirmou. Ele disse ainda que a prefeitura também dispõe de projetos para reformar os antigos armazéns da Estação Velha, o Cassino Eldorado e o Cine Capitólio.

A delimitação do Iphaep é constituída por cinturão formado por ruas e praças inseridas na região central da cidade e reúne edificações em estilo art déco, inglês, neoclássico e vários monumentos que têm resistido bravamente ao tempo. Fazem parte do conjunto ruas como a Vila Nova da Rainha, região onde a cidade teria surgido, todo o largo da Catedral e algumas ruas. (AS)

*Matéria publicada na edição especial de domingo no Jornal da Paraíba em 10 de outubro de 2010. O título e os subtítulos da matéria, são links para a publicação online do referido jornal

1 comentários:

J o a n a 13 de outubro de 2010 10:07  

Um artigo que merece destaque não apenas pela qualidade da escrita, mas pelo seu teor social... Já que vem chamar a atenção de todos para um fato triste e real que é a destruição deo nosso Patrimônio. Parabéns!!! Bela iniciativa...

Leia por assuntos

Boletim da SPA eventos Arqueologia evento Pedra do Ingá IHGP História Patrimônio Vandalismo Lançamento Paleontologia Rev. Tarairiú Campina Grande Centro Histórico João Pessoa Revista Eletrônica Arte IHGC Juvandi Tarairiú Carlos Azevedo Homenagem Livro Museu Arqueologia Histórica Artigo Cariri Diário da Borborema Arquivo Espeleologia História da Paraíba Inscrições Rupestres MHN UEPB Nivalson Miranda Pesquisas Vanderley Arte Rupestre Encontro da SPA Evolução Exposição Fósseis Itacoatiaras LABAP Patrimônio Histórico Soledade São João do Cariri Thomas Bruno Achado Arqueológico E-book Falecimento IPHAEP IPHAN Missões Projetos Queimadas Raul Córdula SBE Semana de Humanidades Serra de Bodopitá UEPB UFCG Vale dos Dinossauros Acervo Antropologia Arqueologia Experimental Barra de Santana Brejo Cabaceiras Capitania da Paraíba Cartilha Clerot Cordel Descaso Escavação Estudos Evolutivos FCJA Forte Ingá Itatuba Lagoa Salgada Memórias Natal Niède Guidon Palestra Patrimônio Arqueológico Pesquisador Piauí Serra da Capivara Serras da Paraíba São João do Tigre UBE-PB USP Uruguai Walter Neves África ALANE ANPAP APA das Onças Amazônia Amélia Couto Antônio Mariano Apodi Araripe Areia Arqueologia Industrial Arqueologia Pública Aula de campo Aziz Ab'Saber Bacia do Prata Belo Monte Biografia Boqueirão Brasil CNPq Camalaú Caraúbas Carta circular Casino Eldorado Ceará Cemitério Comadre Florzinha Concurso Cozinhar Curimataú Curso Curta-metragem Datação Dennis Mota Descoberta Dom Pedro I Dossiê Educação Ambiental Educação Patrimonial Elpídio de Almeida Emancipação política Espaço Cultural Esponja Exumação Falésia do Cabo Branco Fazendas de gado Feira de Campina Grande Fonte Histórica Forte Velho Funai Gargaú Geografia Geologia Geopark Guerra dos Bárbaros Guilherme História Viva Hominídeo IHCG IHGRN IPHAN-RN Ipuarana Jesuítas Jornal da Ciência José Octávio Juandi Juciene Apolinário Laboratório Lagoa Pleistocênica Lagoa de Pedra Lajedo de Soledade Linduarte Noronha Litoral Luto MAC Mato Grosso Matéria de TV Memórias do Olhar Mostra Museu Itinerante Ocupação humana Olivedos PROPESQ Paleo Paraíba Pará Pe. Luiz Santiago Pedro Nunes Pernambuco Pilões Pleistoceno Pocinhos Ponto de Cultura Projeto Catálogo Pré-História Pré-História submersa Quilombola Reivindicação Reportagem Revista Rio Paraíba SBP SBPC Santa Luzia Sebo Cultural Seminário Semiárido Seridó Serra Branca Serra Velha Serra da Raposa Serra das Flechas Sertão Sessão Especial Sobrado Sumé São Mamede São Thomé do Sucurú Sócios TAAS Teleférico Terra Tome Ciência Técnicas Cartográficas UEPB Campus III Uol pelo Brasil Zonas arqueológicas caiabis mundurucu usina Índia Índios âmbar

Visitas desde SET 08

Translate

Estatísticas do google 2011

  © Arqueologia da Paraiba

Back to TOP