Por motivo de manutenção dos servidores da UEPB, os números anteriores do Boletim estão temporariamente inacessíveis.
Este é o blog da Sociedade Paraibana de Arqueologia. Contato: sparqueologia@gmail.com

quarta-feira, 18 de julho de 2007

Livros de inscrições rupestres na Paraíba


Vanderley de Brito 1


Dentre as muitas variedades de registros testemunhos referentes às extintas culturas que habitaram nosso território em nebulosos tempos longínquos, as inscrições rupestres, sobretudo, são aquelas que mais intrigam e fertilizam a imaginação do pesquisador e do homem do campo. No Brasil são profusas, o paleontólogo Josué Camargo Mendes, da Universidade de São Paulo, afirma que elas existem em quase todos os estados da Federação.

Para a arqueóloga do Museu Nacional/UFRJ Maria da Conceição Beltrão, com base em figuras zoomorfas que classificou com animais extintos do Pleistoceno e conjunções astronômicas em pinturas no município de Central, na Bahia, as inscrições rupestres do Nordeste devem anteceder no mínimo 18.000 anos.


Compondo complexos painéis gráficos nos rochedos, os registros rupestres são testemunhos incontestáveis do elevado grau de abstração e espiritualidade de nossos ancestrais nativos. Certamente são registros muito anteriores aos indígenas encontrados pelos europeus. Segundo Estevão Pinto, o botânico Karl Friedrich von Martius e o indigenista Theodor Koch Grünberg assinalaram em seus estudos que os selvagens nativos com quem se relacionaram tinham grande temor e respeito pelas inscrições rupestres. Nas lendas da criação difundidas no período da colonização espanhola, os indígenas peruanos diziam que o deus Kon Tiki foi quem desenhou nas pedras os seres e as coisas que desejava criar. Registra-se também que o pesquisador alemão Roberto Schomburgk encontrou inscrições em 1749, nas margens do Rupunuri, e tentou desprender um pedaço da rocha que continha desenhos, contudo, a pedra era muito dura e a febre o tinha debilitado, por isso pediu aos índios para ajudar, mas estes, nem mesmo com súplicas ou promessas se propuseram a dar sequer uma martelada na pedra, pois respeitavam estes monumentos por considerarem legado de seus antepassados.


Todavia, um fato nos leva a supor que estes sinais presentes nas inscrições rupestres não havia se perdido por completo até à colonização do continente, embora tenha resistido hermético apenas entre sacerdotes ermitões. Nossa conjetura baseia-se no primeiro volume da História do Brasil, escrita entre 1806 e 1810 pelo inglês Robert Southey. Com base em documentos inéditos de jesuítas, Southey relata que na Paraíba, na época das lutas para expulsão dos franceses de nossa costa, em 1583, viera uma casta de profetas selvagens do interior com intento de converter os índios potiguara, ou pitiguara2, sujeitos aos portugueses, ou com eles aliados, num círculo religioso estranho. Ao som de grandes cabaços ocos, exerciam a prática de provocar convulsões tragando o suco de uma planta deletéria e, segundo afirmaram os jesuítas, da casca de certa árvore faziam livros como que encadernados em tabuinhas de madeira delgada escritos em caracteres desconhecidos. “Umas escrituras que o diabo lhes ensinara”.


Para escrever sua História do Brasil, Southey utilizou-se de manuscritos, entre correspondências diplomáticas, relatórios e informes inéditas de vários autores de obras sobre o Brasil, a exemplo de Thomas Lindley, John Mawe, Lames Henderson, John Luccock e Henry Koster, entre outros, com quem se correspondia. Passou um ano em Lisboa ocupado em consultar documentação do Brasil colônia nos arquivos lisboetas, chegando inclusive a levar um rico documentário para a Inglaterra às vésperas da invasão francesa. Segundo consta, Southey era possuidor, na Inglaterra, da melhor e mais preciosa coleção de livros e documentos originais sobre Portugal e América do Sul. Natural que tivesse dados inéditos e surpreendentes.


O acontecido em terras paraibanas narrados por Southey, consequentemente, terminou em rebelião e na captura e morte dos feiticeiros e convertidos. Segundo relata, o líder religioso foi preso e cortaram-lhe a língua, “instrumento com que havia iludido os índios”, e depois o estrangularam. Sem dúvidas os supostos livros devem ter sido destruídos também. Seriam estes caracteres estranhos e ininteligíveis os mesmos espalhados nas inúmeras itacoatiaras?

É de conhecimento geral que entre os Astecas também se registra livros semelhantes que Hernán Cortez destruiu na conquista do México. Isso sem falar nas tabuinhas da Ilha de Páscoa que também foram queimadas pelos jesuítas.

O processo de aculturação empreendido pelo europeu entre os indígenas - “pelo horror à heresia” como diria Luís da Câmara Cascudo - foi muito violento e extremamente preconceituoso. Não admira que forçosamente tenha apagado por completo qualquer memória entre os nativos sobre estas inscrições.


No litoral paraibano ainda existem aldeias de remanescentes dos potiguara, no entanto, há muito estão completamente aculturados e a memória destes supostos livros pré-históricos, consequentemente, também esvaiu na impiedosa enxurrada colonizadora.


Referências:

BELTRÃO, Maria da Conceição. Projeto Central: novos dados. Revista de Arqueologia, v.8, 1. São Paulo: Sociedade de Arqueologia Brasileira. 1994.

BRITO, Vanderley de. A Pedra do Ingá: itacoatiaras na Paraíba. João Pessoa: JRC Editora. 2007.

MENDES, Josué Camargo. Conheça a pré-história brasileira. São Paulo: Ed. Universidade de São Paulo/ Ed. Polígano. 1970.

PINTO, Estevão. Os indígenas no Nordeste. S. Paulo: Companhia Ed. Nacional, 1935.

SOUTHEY, Robert. História do Brasil. 4a Edição brasileira, vol. 1. Tradução: Dr. Luís Joaquim de Oliveira e Castro. São Paulo: Melhoramentos; Brasília: INL. 1977.

Notas:

1- Historiador, presidente da Sociedade Paraibana de Arqueologia-SPA.

2- Pitiguara; traduz “senhores dos vales”. Segundo o romancista José de Alencar, em sua clássica obra “Iracema”, era assim que estes indígenas chamavam a si mesmos, mas os tabajara, seus inimigos, por escárnio os apelidavam potiguara, que quer dizer “comedores de camarão”.

4 comentários:

Anônimo,  25 de agosto de 2007 17:27  

Senhor Vanderley de Brito

Tomei ciencia do seu interesse em relação à arqueologia no nosso estado, e por isso quero ser o mais sucicinto e compreensível na descrição do momumento arqueólogo lítico presente na comunidade rural de Caxeiro do município paraibano de Juarez Távora. Trata-se de um rochedo largo, sem, porém, ter altura superior a 2 metros, onde estão lavrados na rocha símbolos diversos, que parecem ser parte de um alfabeto bastante rudimentar. Tais estão dispostas em linhas horizontais, como de um texto bastante longo, ocupando todos os 6 metros da rocha. Figuram nesta vários "w", "x", "y" e outras figuras que parecer-me-iam de difíceis descrição (alguns "j" com ondulações na parte superior, triângulos diversos e vários "x" circunscritos em esferas quase perfeitas) além de muitos outros símbolos pitorescos, que são impossíveis de descrever. A rocha onde estãoos descritos, fora rachada exatamente no meio por um grupo de populares, devido à crença de se tratar de uma botija recheada de ouro e prata. Peço que o senhor, na condição de presidente da SPA, que seja mandada
uma comição arqueológica, para avaliar tais, já que a àrea circundante a este é extremamente rica em sítios arqueológicos menores, além de vários outros vestígios, como ossadas ressequidas e partes de ferramentas Líticas
Tal comissão não encontrará dificuldades em achar o descrito acima - basta dirigir-se à comunidade do caxeiro, onde será imformado sobre a localização desta.

Anônimo,  25 de agosto de 2007 17:27  

Senhor Vanderley de Brito

Tomei ciencia do seu interesse em relação à arqueologia no nosso estado, e por isso quero ser o mais sucicinto e compreensível na descrição do momumento arqueólogo lítico presente na comunidade rural de Caxeiro do município paraibano de Juarez Távora. Trata-se de um rochedo largo, sem, porém, ter altura superior a 2 metros, onde estão lavrados na rocha símbolos diversos, que parecem ser parte de um alfabeto bastante rudimentar. Tais estão dispostas em linhas horizontais, como de um texto bastante longo, ocupando todos os 6 metros da rocha. Figuram nesta vários "w", "x", "y" e outras figuras que parecer-me-iam de difíceis descrição (alguns "j" com ondulações na parte superior, triângulos diversos e vários "x" circunscritos em esferas quase perfeitas) além de muitos outros símbolos pitorescos, que são impossíveis de descrever. A rocha onde estãoos descritos, fora rachada exatamente no meio por um grupo de populares, devido à crença de se tratar de uma botija recheada de ouro e prata. Peço que o senhor, na condição de presidente da SPA, que seja mandada
uma comição arqueológica, para avaliar tais, já que a àrea circundante a este é extremamente rica em sítios arqueológicos menores, além de vários outros vestígios, como ossadas ressequidas e partes de ferramentas Líticas
Tal comissão não encontrará dificuldades em achar o descrito acima - basta dirigir-se à comunidade do caxeiro, onde será imformado sobre a localização desta.

Nivaldete Ferreira 2 de maio de 2009 19:50  

Olá,
Gostaria de saber o endereço da SPA. Nasci em Nova Palmeira-PB, onde há desenhos rupestres que correm o risco de depredação, quando não de destruição mesmo, já que não há pesquisa nem registros dele por órgãos como o IPHAN.
Fico grata se der atenção a este pedido.

juliana 2 de junho de 2009 19:11  

oi vanderley gostei muito do sus livros por favor será que vc pode me dar ooutro novo livro. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Juliana Brito

Leia por assuntos

Boletim da SPA eventos Arqueologia evento Pedra do Ingá IHGP História Patrimônio Vandalismo Lançamento Paleontologia Rev. Tarairiú Campina Grande Centro Histórico João Pessoa Revista Eletrônica Arte IHGC Juvandi Tarairiú Cariri Carlos Azevedo Homenagem Livro Museu Arqueologia Histórica Artigo Diário da Borborema Arquivo Espeleologia História da Paraíba Inscrições Rupestres MHN UEPB Nivalson Miranda Pesquisas Thomas Bruno Vanderley Arte Rupestre Encontro da SPA Evolução Exposição Fósseis IPHAEP Itacoatiaras LABAP Patrimônio Histórico Soledade São João do Cariri Achado Arqueológico E-book Falecimento IPHAN Missões Palestra Piauí Projetos Queimadas Raul Córdula SBE Semana de Humanidades Serra de Bodopitá UEPB UFCG Vale dos Dinossauros Acervo Antropologia Arqueologia Experimental Barra de Santana Boqueirão Brejo Cabaceiras Capitania da Paraíba Cartilha Clerot Cordel Descaso Escavação Estudos Evolutivos FCJA Forte Ingá Itatuba Lagoa Salgada Memórias Natal Niède Guidon Patrimônio Arqueológico Pesquisador Serra da Capivara Serras da Paraíba São João do Tigre UBE-PB USP Uruguai Walter Neves África ALANE ANPAP APA das Onças Amazônia Amélia Couto Antônio Mariano Apodi Araripe Areia Arqueologia Industrial Arqueologia Pública Aula de campo Aziz Ab'Saber Bacia do Prata Belo Monte Biografia Brasil CNPq Camalaú Caraúbas Carta circular Casino Eldorado Cavidade Natural Ceará Cemitério Comadre Florzinha Concurso Cozinhar Cuité Curimataú Curso Curta-metragem Datação Dennis Mota Descoberta Dom Pedro I Dossiê Educação Ambiental Educação Patrimonial Elpídio de Almeida Emancipação política Espaço Cultural Esponja Exumação Falésia do Cabo Branco Fazendas de gado Feira de Campina Grande Fonte Histórica Forte Velho Funai Fórum Permanente Ciência e Cultura Gargaú Geografia Geologia Geopark Guerra dos Bárbaros Guilherme História Viva Hominídeo IHCG IHGRN IPHAN-RN Ipuarana Jesuítas Jornal da Ciência José Octávio Juandi Juciene Apolinário Laboratório Lagoa Pleistocênica Lagoa de Pedra Lajedo de Soledade Linduarte Noronha Litoral Luto MAC Mato Grosso Matéria de TV Memórias do Olhar Mostra Museu Itinerante Ocupação humana Olivedos PROPESQ Paleo Paraíba Pará Pe. Luiz Santiago Pedro Nunes Pernambuco Pilões Pleistoceno Pocinhos Ponto de Cultura Projeto Catálogo Pré-História Pré-História submersa Quilombola Reivindicação Reportagem Revista Rio Paraíba SAB SBP SBPC Santa Luzia Sebo Cultural Seminário Semiárido Seridó Serra Branca Serra Velha Serra da Raposa Serra das Flechas Sertão Sessão Especial Sobrado Sumé São Mamede São Thomé do Sucurú Sócios TAAS Teleférico Terra Tome Ciência Técnicas Cartográficas UEPB Campus III Uol pelo Brasil Zonas arqueológicas caiabis mundurucu usina Índia Índios âmbar

Visitas desde SET 08

Translate

Estatísticas do google 2011

  © Arqueologia da Paraiba

Back to TOP