Por motivo de manutenção dos servidores da UEPB, os números anteriores do Boletim estão temporariamente inacessíveis.
Este é o blog da Sociedade Paraibana de Arqueologia. Contato: sparqueologia@gmail.com

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Joias da pré-história

Descobertas na Índia centenas de criaturas de 50 milhões de anos presas em âmbar

Pesquisadores alemães apresentaram na segunda-feira (26/10) uma descoberta que poderia perfeitamente inspirar um filme como "Parque Jurássico".

As criaturas em questão não são do período jurássico (199 milhões a 145 milhões de anos atrás), mas ainda assim antigas o suficiente para acrescentar capítulos inéditos ao conhecimento da pré-história. São cerca de 700 abelhas, formigas, aranhas e outras pequenas criaturas que viveram há 50 milhões de anos.

Morreram aprisionadas em âmbar. E a jazida desse âmbar, descoberta em Cambaia, na Índia, é, muito provavelmente, a maior e mais espetacular do mundo.

"Proceedings of the National Academy of Sciences" (PNAS), os cientistas da Universidade de Bonn estimam que os 700 animais são apenas uma amostra do que a reserva indiana pode abrigar. Esses insetos e aracnídeos sobreviveram à extinção dos dinossauros. Viveram em uma época anterior à dos mamíferos.

Morreram aprisionados na resina de árvores que, com o tempo, se transformou em âmbar.

O depósito de âmbar é o primeiro a ser descoberto na Índia e pode ser maior que as estruturas conhecidas em Rússia, Polônia, Ucrânia e Alemanha, os mais importantes conhecidos até então.

O âmbar forma-se quando a leve e pegajosa seiva de árvores solidificase, formando rígidos blocos de resina.

Quando enterrados, eles se transformam numa substância valiosa por sua cor, transparência e beleza natural. A resina produzida pelas árvores tem propriedades antissépticas para proteger a planta contra o ataque de fungos e bactérias, uma característica que também ajuda a preservar insetos ou pequenos animais que ficam presos antes de ela se solidificar.

O depósito foi encontrado nas minas de carvão a céu aberto da região de Cambaia, no noroeste da Índia. De acordo com os pesquisadores, uma análise do âmbar mostra que ele foi formado pela resina de uma família de madeiras de lei tropicais ainda existente no sudeste asiático.

Os animais encontrados em âmbar europeu correspondem frequentemente a cascas vazias porque seu interior, de parte mole, foi dissolvido. No entanto, o âmbar indiano preservou os animais intactos, permitindo aos pesquisadores um estudo mais detalhado.

- Podemos dissolver o âmbar e retirar o animal ainda inteiro - disse Joe Rust, que liderou a equipe responsável pela descoberta. - É como extrair um dinossauro completo do âmbar e analisá-lo em detalhes.

A história de um mosquito pré-histórico que havia acabado de jantar no sangue de um dinossauro antes de ficar agarrado à resina de uma árvore fazia parte do roteiro do filme "Jurassic Park", de 1993, baseado no livro homônimo de Michael Crichton. Na obra, o DNA de dinossauros é recuperado do inseto e usado para trazer os lagartos gigantes novamente à vida.

Rust, no entanto, não acredita na possibilidade de obter material genético dos insetos presos no âmbar indiano.

- Nunca encontraremos DNA ancestral no âmbar. Ele está completamente destruído e deteriora após milhares de anos - explica.

A maioria das espécies no âmbar indiano é de insetos, mas também há pequenos aracnídeos e até fragmentos de plantas. Uma espécie de formiga é de um gênero só existente hoje na Austrália.

Analisando as camadas de carvão de onde o âmbar foi descoberto, concluiu-se que os animais teriam vivido entre 52 e 50 milhões de anos atrás, quando o subcontinente indiano ainda era uma ilha que se movia a uma velocidade de 15 a 20 centímetros por ano em direção a Ásia. A colisão entre estes blocos formou os Himalaias.

Os pesquisadores mostraram que a semelhança das espécies do âmbar e aquelas encontradas na Ásia e Europa acabou com uma teoria, segundo a qual a vida selvagem indiana teria sido a responsável por povoar os outros continentes.

- A Índia ficou isolada por milhões de anos. Após sua colisão com a Ásia, acreditava-se que a fauna da Índia teria conseguido se expandir dali para outra terras - conta Rust. - O que descobrimos nesse âmbar é que os insetos ali contidos tinham grande semelhança com os já existentes na Europa.

Fonte: JC e-mail 4124, de 26 de Outubro de 2010.

0 comentários:

Leia por assuntos

Boletim da SPA eventos Arqueologia evento Pedra do Ingá IHGP História Patrimônio Vandalismo Lançamento Paleontologia Rev. Tarairiú Campina Grande Centro Histórico João Pessoa Revista Eletrônica Arte IHGC Juvandi Tarairiú Cariri Carlos Azevedo Homenagem Livro Museu Arqueologia Histórica Artigo Diário da Borborema Arquivo Espeleologia História da Paraíba IPHAEP Inscrições Rupestres MHN UEPB Nivalson Miranda Pesquisas Thomas Bruno Vanderley Arte Rupestre Encontro da SPA Evolução Exposição Fósseis Itacoatiaras LABAP Patrimônio Histórico Soledade São João do Cariri Achado Arqueológico E-book Falecimento IPHAN Missões Palestra Piauí Projetos Queimadas Raul Córdula SBE Semana de Humanidades Serra de Bodopitá UEPB UFCG Vale dos Dinossauros Acervo Antropologia Arqueologia Experimental Barra de Santana Boqueirão Brejo Cabaceiras Capitania da Paraíba Cartilha Clerot Cordel Descaso Escavação Estudos Evolutivos FCJA Forte Ingá Itatuba Lagoa Salgada Memórias Natal Niède Guidon Patrimônio Arqueológico Pesquisador Serra da Capivara Serras da Paraíba São João do Tigre UBE-PB USP Uruguai Walter Neves África ALANE ANPAP APA das Onças Amazônia Amélia Couto Antônio Mariano Apodi Araripe Areia Arqueologia Industrial Arqueologia Pública Aula de campo Aziz Ab'Saber Bacia do Prata Belo Monte Biografia Brasil CNPq Camalaú Caraúbas Carta circular Casino Eldorado Cavidade Natural Ceará Cemitério Comadre Florzinha Concurso Cozinhar Cuité Curimataú Curso Curta-metragem Datação Dennis Mota Descoberta Dom Pedro I Dossiê Educação Ambiental Educação Patrimonial Elpídio de Almeida Emancipação política Espaço Cultural Esponja Exumação Falésia do Cabo Branco Fazendas de gado Feira de Campina Grande Fonte Histórica Forte Velho Funai Fórum Permanente Ciência e Cultura Gargaú Geografia Geologia Geopark Guerra dos Bárbaros Guilherme História Viva Hominídeo IHCG IHGRN IPHAN-RN Ipuarana Jesuítas Jornal da Ciência José Octávio Juandi Juciene Apolinário Laboratório Lagoa Pleistocênica Lagoa de Pedra Lajedo de Soledade Linduarte Noronha Litoral Luto MAC Mato Grosso Matéria de TV Memórias do Olhar Mostra Museu Itinerante Ocupação humana Olivedos PROPESQ Paleo Paraíba Pará Pe. Luiz Santiago Pedro Nunes Pernambuco Pilões Pleistoceno Pocinhos Ponto de Cultura Projeto Catálogo Pré-História Pré-História submersa Quilombola Reivindicação Reportagem Revista Rio Paraíba SAB SBP SBPC Santa Luzia Sebo Cultural Seminário Semiárido Seridó Serra Branca Serra Velha Serra da Raposa Serra das Flechas Sertão Sessão Especial Sobrado Sumé São Mamede São Thomé do Sucurú Sócios TAAS Teleférico Terra Tome Ciência Técnicas Cartográficas UEPB Campus III Uol pelo Brasil Zonas arqueológicas caiabis mundurucu usina Índia Índios âmbar

Visitas desde SET 08

Translate

Estatísticas do google 2011

  © Arqueologia da Paraiba

Back to TOP