Por motivo de manutenção dos servidores da UEPB, os números anteriores do Boletim estão temporariamente inacessíveis.
Este é o blog da Sociedade Paraibana de Arqueologia. Contato: sparqueologia@gmail.com

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Destruição do Patrimônio de Campina

Thomas Bruno Oliveira



Há muito que denunciamos a destruição do patrimônio histórico de Campina Grande. Produzi artigos, liguei para rádios, comuniquei amigos historiadores, fiz denuncia no IPHAEP, Ministério Público e até o momento não tenho visto nenhuma atitude que vise preservar o que resta dos últimos suspiros de nosso patrimônio histórico.

Figura 1-Fábrica Têxtil, totalmente sem telhado.



Desta forma, caminhei hoje (31 de agosto de 2010) pelo centro da cidade, não só na circunscrição do Centro Histórico de Campina Grande, delimitada tardiamente em junho de 2004, como também no entorno deste epicentro histórico, onde ainda estão vivas páginas da história da cidade, de seu desenvolvimento, de seu povo. Caminhei com o intuito de observar se mais algum monumento ou edificação estaria em processo de demolição, atitude que tem se asseverado nos últimos meses.

Figura 2- Vista do terreno onde havia o "Castelinho Inglês" na Rua Irineu Jóffily



Segui o percurso, a partir de Bodocongó, visualizando a antiga fábrica têxtil, defronte a Igreja em devoção a N.Sra. do Perpétuo Socorro, que segundo o Prof. Josemir Camilo “evidencia o trinômio fábrica-igreja-escola substituto de um antigo postal: casa grande-capela-engenho (ou fazenda) e senzala”. Pois bem, a vila operária, o arruado de casas de antigos trabalhadores da fábrica, foi demolida e parece-nos que este será o destino da fábrica, que sem teto, em pouco tempo estará em um estado ainda mais deplorável.
Figura 3-Antiga SAMIC, o que será construído no lugar?


Em seguida, me desloquei até o Centro Histórico, no centro da cidade. Já na Rua Irineu Jóffily, há dois prédios da esquina com a Rua Treze de Maio, um antigo prédio em estilo “Castelinho Inglês” foi demolido, caminhei por dentro do terreno e observei a voracidade das máquinas que deixaram suas marcas impressas naquele solo histórico. Defronte, do outro lado da rua, vi um antigo prédio eclético que ainda ostenta sua arquitetura original, apesar das adaptações feitas para o prédio servir como uma pequena galeria de lojas.

Seguí pela rua Irineu Jóffily e não pude caminhar pela Praça Cel. Antônio Pessoa por estar em processo de reforma, estando isolada com tapumes. Adentrei a rua que faz esquina com o antigo prédio em Art-dèco do Campinense Clube, que possui um letreiro antigo que está oculto por um painel em vidro azul, de mal gosto.

Caminhei pelas ruas João Tavares e Desembargador Trindade e vi o rastro de destruição, vários prédios em estilo “Castelinho Inglês” foram demolidos, várias casas próximas ao Baiuka Drinks já não mais existem, a antiga SAMIC (Serviço Assistencial Médico Infantil Campinense), foi demolida e seguindo com destino ao Açude Velho, ví de longe as três imponentes chaminés de seu entorno, a do Parque da Criança, antigo Curtume dos Mota (São José), a da SANBRA e a da Caranguejo e observei que esta última não estava com seu acabamento no topo, chegando perto, vi uma série de andaimes e de imediato me dirigi a empresa para obter informações, estaria sendo demolida?

Figura 4-O desmonte da Chaminé da Caranguejo

Na empresa, obtive a informação de que a Caranguejo será transferida para o Distrito Industrial da cidade, saindo daquele prédio histórico que já teria sido vendido a uma construtora, obtendo certamente um alto valor pela valorizada área em que está. No entanto, o prédio e a chaminé estão localizados no antigo parque industrial da cidade, as margens do Açude Velho, de onde bebia parte da água que precisara. A chaminé estava sendo destruída, ou melhor, está! Alguns fios de grossos tijolos manuais já foram extraídos e, em dias, uma das três únicas chaminés do entorno do Açude Velho não mais existirá. Este monumento não só reflete uma áurea época da cidade, como também embeleza e dá um charme ao Açude.

Figura 5-Detalhe do desmanche da chaminé em 31 de agosto de 2010.



Aquele marco geográfico pode ser destruído? Estas chaminés devem ser rapidamente tombadas, elas são testemunhos de nossa primeira etapa de industrialização! Saindo dali, ainda fui conferir os galpões Estação Velha, e, pasmem, tinha alguns garotos consumindo drogas... parte do telhado já caiu, está em ruínas.



Voltei para casa pensando: Que história vamos deixar para as futuras gerações? Ou diremos simplesmente que GRANDE foram as destruições?

7 comentários:

Luiz 1 de setembro de 2010 09:21  

Esse é um problema que também enfrentamos em Soledade, antiga villa de Ibiapinópolis, quem tenta comprar a questão e lutar pelo tombamento, acaba escurraçado...

Jônatas Rodrigues Pereira 1 de setembro de 2010 10:03  

É verdade Thomas pude notar vários absurdos que estão acontecendo em nossa cidade. Ontem atarde vi voltando do Museu do Algodão, o desmanche da antiga chaminé da Caranguejo. O prédio da antiga Samic, infelizmente derrubaram para ficar um terreno baldio. Infelizmente Campina Grande está se tornando uma cidade sem passado e sem identificação com sua origens, também fico indgnado.
Não basta o absurdo que aconteceu nos anos 40,elesquerem transformar tudo de novo.

Cláudio Goes 2 de setembro de 2010 12:03  

Abri link do site no Blog de Cláudio Goes e marcharemos unidos nessa luta. O trabalho de vocês e muito bom.

David Amorim 2 de setembro de 2010 13:21  

É uma pena mesmo, observar Campina-Grande dessa forma, perdendo espaço para as construções de mal gosto, procedentes do Capitalismo e dessa globalização que atropela a todos e conduz não só as pessoas mais os espaços e as paisagens em alienação.

David Amorim
Queimadas/Maceió

Anônimo,  26 de setembro de 2010 13:19  

Ainda bem que aquela chaminé horrivel foi demolida

Estou aguardando ansiosamente as 3 torres de luxo que serão lançadas e embelezarão o açude velho

Anônimo,  7 de fevereiro de 2011 18:03  

Gente me poupe tres torrês de luxo um shoping , um comdominio de luxo e um Playground/Dance >> as torres são o que menos importam pois estão velho e ninguém vai querer tirar foto numa torre que qualquer prédio é maior me poupe aquele açude precissa msm é de prédios !!!!!!!!!
Campina está entre as 20 cidades do futuro do brasil pela veja!!
Arazooo!!
kkkkkkkkkkkkkkkkkk

Valbério 2 de abril de 2011 22:15  

E ainda se fala em preservação!!!

Leia por assuntos

Boletim da SPA eventos evento Arqueologia Pedra do Ingá IHGP História Patrimônio Vandalismo Lançamento Paleontologia Rev. Tarairiú Campina Grande Centro Histórico João Pessoa Revista Eletrônica Arte IHGC Juvandi Tarairiú Cariri Carlos Azevedo Homenagem Livro Museu Arqueologia Histórica Artigo Diário da Borborema Arquivo Espeleologia História da Paraíba IPHAEP Inscrições Rupestres LABAP MHN UEPB Nivalson Miranda Pesquisas Thomas Bruno Vanderley Arte Rupestre Encontro da SPA Evolução Exposição Fósseis Itacoatiaras Patrimônio Histórico Soledade São João do Cariri UEPB Achado Arqueológico E-book Falecimento IPHAN Missões Palestra Piauí Projetos Queimadas Raul Córdula SBE Semana de Humanidades Serra de Bodopitá UFCG Vale dos Dinossauros Acervo Antropologia Arqueologia Experimental Barra de Santana Boqueirão Brejo Cabaceiras Capitania da Paraíba Cartilha Clerot Cordel Descaso Escavação Estudos Evolutivos FCJA Forte Ingá Itatuba Lagoa Salgada Memórias Natal Niède Guidon Patrimônio Arqueológico Pesquisador Serra da Capivara Serras da Paraíba São João do Tigre UBE-PB USP Uruguai Walter Neves África ALANE ANPAP APA das Onças Amazônia Amélia Couto Antônio Mariano Apodi Araripe Areia Arqueologia Industrial Arqueologia Pública Aula de campo Aziz Ab'Saber Bacia do Prata Belo Monte Biografia Brasil CNPq Camalaú Caraúbas Carta circular Casino Eldorado Cavidade Natural Ceará Cemitério Comadre Florzinha Concurso Cozinhar Cuité Curimataú Curso Curta-metragem Datação Dennis Mota Descoberta Dom Pedro I Dossiê Educação Ambiental Educação Patrimonial Elpídio de Almeida Emancipação política Espaço Cultural Esponja Exumação Falésia do Cabo Branco Fazendas de gado Feira de Campina Grande Fonte Histórica Forte Velho Funai Fórum Permanente Ciência e Cultura Gargaú Geografia Geologia Geopark Guerra dos Bárbaros Guilherme História Viva Hominídeo IHCG IHGRN IPHAN-RN Ipuarana Jesuítas Jornal da Ciência José Octávio Juandi Juciene Apolinário Laboratório Lagoa Pleistocênica Lagoa de Pedra Lajedo de Soledade Linduarte Noronha Litoral Luto MAC Mato Grosso Matéria de TV Memórias do Olhar Mostra Museu Itinerante Ocupação humana Olivedos PROPESQ Paleo Paraíba Pará Pe. Luiz Santiago Pedro Nunes Pernambuco Pilões Pleistoceno Pocinhos Ponto de Cultura Projeto Catálogo Pré-História Pré-História submersa Quilombola Reivindicação Reportagem Revista Rio Paraíba SAB SBP SBPC Santa Luzia Sebo Cultural Seminário Semiárido Seridó Serra Branca Serra Velha Serra da Raposa Serra das Flechas Sertão Sessão Especial Sobrado Sumé São Mamede São Thomé do Sucurú Sócios TAAS Teleférico Terra Tome Ciência Técnicas Cartográficas UEPB Campus III Uol pelo Brasil Zonas arqueológicas caiabis mundurucu usina Índia Índios âmbar

Visitas desde SET 08

Translate

Estatísticas do google 2011

  © Arqueologia da Paraiba

Back to TOP