Por motivo de manutenção dos servidores da UEPB, os números anteriores do Boletim estão temporariamente inacessíveis.
Este é o blog da Sociedade Paraibana de Arqueologia. Contato: sparqueologia@gmail.com

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Nivalson Miranda, a Pedra do Ingá na praça.

Numa manhã muito ensolarada eu estava em casa, acho que lendo alguma coisa, e minha filha (Shirley) veio me chamar na biblioteca pra dizer que tinha alguém no telefone querendo falar comigo. Eu perguntei se era homem ou mulher e ela disse que achava que era um velhinho de voz apressada. Fui atender o telefone e, para minha satisfação, era o amigo Nivalson Miranda, fiquei surpreso porque já o conhecia há alguns anos, mas ele nunca havia me ligado antes. Nossa relação era de encontros casuais, às vezes no IPHAEP, às vezes na sede do IHGP, nas reuniões extraordinárias do IHGC, lançamentos de livros ou outros tipos de eventos culturais, quase sempre em João Pessoa. Trocamos telefones, é fato, mas sempre conversávamos nestas circunstâncias casuais e até então nunca havia sido necessário fazermos contatos com fins específicos.
Devido esta circunstância atípica, naquele milésimo de segundo em que meu cérebro refazia todos os conceitos sobre aquele amigo de ocasiões, fiquei apreensivo pra saber o quê o teria motivado a me ligar, especialmente porque sua voz estava de fato “apressada” como disse minha filha, mas eu diria “eufórica”. Então, para dissipar minhas dúvidas ele foi enfático: - Estou aqui em Campina Grande, numa praça que fica ao lado do cinema Capitólio, e quero que você venha aqui urgente que preciso lhe falar pessoalmente.
Depois de me certificar de que ele falava da Praça Clementino Procópio e assegurar que era só o tempo de vestir uma camisa, desliguei o telefone e fui me trocar com uma dúvida ainda maior do quê aquela que tinha minutos atrás. O quê aquele simpático senhor poderia querer comigo de tão urgente?
A caminho da praça (que fica a menos de um quilômetro de minha casa), entre a atenção no trânsito e a programação itinerária para me deslocar até lá, me vinha à cabeça todas as relações que poderiam estar ligadas àquele chamado inusitado. Nivalson era um ativista cultural, assim como eu, e esse era o principal fator que nos ligava, mas também era um grande artista plástico, desenhava maravilhosamente, e assim como eu, que me ocupo em desenhar monumentos de pedra com inscrições rupestres, ele também desenhava monumentos arquitetônicos de valor histórico. Mas esta última relação, certamente não tinha nada com o assunto, pois acho que nunca lhe disse que eu tinha inclinação para o desenho. Então, o quê poderia ser?
Cheguei à praça e lá estava ele, com seu jeito “apressado”, e logo que me viu falou em voz alta – Amigo Vanderley de Brito: grande autoridade sobre a Pedra do Ingá!
Aquele cumprimento alvoroçado me faz perceber que o assunto talvez estivesse ligado ao meu conhecimento sobre o monumento rupestre do riacho Bacamarte, mas, Nivalson... Neste outro milésimo de segundo revisei meus conceitos sobre aquele simpático senhor e não me recordava de haver qualquer relação ente ele e a Pedra do Ingá.
Depois de uma rápida (rápida mesmo) narrativa sinopse de como ele chegou ali e como Campina Grande era bonita e agradável, Nivalson me convocou a ir até o carro que lhe trouxe ali, mandou o motorista abrir a mala e, de forma imperativa, me ordenou que lhe ajudasse a tirar da mala um grande rolo plástico que jazia inerte e solitário no fundo da mala e disse: - Preciso que você veja uma coisa!
Desajeitado, parecendo que havia esquecido que eu ostentava a outra ponta daquele rolo misterioso, ele se dirigiu depressa para a praça com a outra extremidade do rolo quase a me arrastar e, sem se preocupar com a placa proibitiva subiu no canteiro de grama da praça e disse: - Vamos abrir aqui.

Vanderley e Nivalson - SPA

Então, por sobre a grama, foi se desenrolando um imenso painel que retratava a Pedra do Ingá em seu habitat natural. Uma extravagante aquarela, de poucas cores e muitas informações, fruto de um trabalho artístico dele, feito em observação direta, que mandou imprimir por meio gráfico em tamanho grande: – E então, o quê achou?
Sinceramente, eu fiquei por um segundo sem saber o quê dizer. Foi tudo tão apressado e desajeitado, sem preâmbulos ou nota introdutória, que eu ainda estava tentando processar aquele evento maluco. Depois que consegui me revestir de bom senso, disse que era uma bela obra, fiz algumas ponderações positivas de cunho artístico e disse-lhe aqueles elogios clichês que supunha ser o que ele pretendia ouvir.
Depois disso veio a parte mais louca dessa “aventura”. Ele, sempre simpático e falante, me retribuiu os elogios, me convidou a ir à sua casa quando possível para me mostrar outras artes de sua lavra e, simplesmente, enquanto enrolava o painel com a ajuda do motorista, disse que já era tempo e que precisava seguir pra João Pessoa. Foi tudo uma questão de cinco minutos e ele já estava partindo.
Voltei atônito pra casa. Levei muitas dúvidas para o encontro e trouxe mais dúvidas ainda para casa. Seria possível que Nivalson veio de João Pessoa até Campina Grande só pra conseguir o aval de um especialista da Pedra do Ingá para endossar sua arte?

Depois disso, ele fez exposições do painel, mandou reproduzir centenas dele em tamanho menor e até distribuiu em eventos, eu mesmo tenho uma cópia desta versão menor que ele me enviou. Então percebi que aquele homem “apressado” era um artista eufórico que tinha pressa em divulgar seus trabalhos, mas que jamais traria a público uma obra que envolvesse ciência sem antes se certificar de que não estaria fazendo bobagens. Coisa rara hoje em dia...

0 comentários:

Leia por assuntos

Boletim da SPA eventos Arqueologia evento Pedra do Ingá IHGP História Patrimônio Vandalismo Lançamento Paleontologia Rev. Tarairiú Campina Grande Centro Histórico João Pessoa Revista Eletrônica Arte IHGC Juvandi Tarairiú Cariri Carlos Azevedo Homenagem Livro Museu Arqueologia Histórica Artigo Diário da Borborema Arquivo Espeleologia História da Paraíba Inscrições Rupestres MHN UEPB Nivalson Miranda Pesquisas Thomas Bruno Vanderley Arte Rupestre Encontro da SPA Evolução Exposição Fósseis IPHAEP Itacoatiaras LABAP Patrimônio Histórico Soledade São João do Cariri Achado Arqueológico E-book Falecimento IPHAN Missões Palestra Piauí Projetos Queimadas Raul Córdula SBE Semana de Humanidades Serra de Bodopitá UEPB UFCG Vale dos Dinossauros Acervo Antropologia Arqueologia Experimental Barra de Santana Boqueirão Brejo Cabaceiras Capitania da Paraíba Cartilha Clerot Cordel Descaso Escavação Estudos Evolutivos FCJA Forte Ingá Itatuba Lagoa Salgada Memórias Natal Niède Guidon Patrimônio Arqueológico Pesquisador Serra da Capivara Serras da Paraíba São João do Tigre UBE-PB USP Uruguai Walter Neves África ALANE ANPAP APA das Onças Amazônia Amélia Couto Antônio Mariano Apodi Araripe Areia Arqueologia Industrial Arqueologia Pública Aula de campo Aziz Ab'Saber Bacia do Prata Belo Monte Biografia Brasil CNPq Camalaú Caraúbas Carta circular Casino Eldorado Cavidade Natural Ceará Cemitério Comadre Florzinha Concurso Cozinhar Cuité Curimataú Curso Curta-metragem Datação Dennis Mota Descoberta Dom Pedro I Dossiê Educação Ambiental Educação Patrimonial Elpídio de Almeida Emancipação política Espaço Cultural Esponja Exumação Falésia do Cabo Branco Fazendas de gado Feira de Campina Grande Fonte Histórica Forte Velho Funai Fórum Permanente Ciência e Cultura Gargaú Geografia Geologia Geopark Guerra dos Bárbaros Guilherme História Viva Hominídeo IHCG IHGRN IPHAN-RN Ipuarana Jesuítas Jornal da Ciência José Octávio Juandi Juciene Apolinário Laboratório Lagoa Pleistocênica Lagoa de Pedra Lajedo de Soledade Linduarte Noronha Litoral Luto MAC Mato Grosso Matéria de TV Memórias do Olhar Mostra Museu Itinerante Ocupação humana Olivedos PROPESQ Paleo Paraíba Pará Pe. Luiz Santiago Pedro Nunes Pernambuco Pilões Pleistoceno Pocinhos Ponto de Cultura Projeto Catálogo Pré-História Pré-História submersa Quilombola Reivindicação Reportagem Revista Rio Paraíba SAB SBP SBPC Santa Luzia Sebo Cultural Seminário Semiárido Seridó Serra Branca Serra Velha Serra da Raposa Serra das Flechas Sertão Sessão Especial Sobrado Sumé São Mamede São Thomé do Sucurú Sócios TAAS Teleférico Terra Tome Ciência Técnicas Cartográficas UEPB Campus III Uol pelo Brasil Zonas arqueológicas caiabis mundurucu usina Índia Índios âmbar

Visitas desde SET 08

Translate

Estatísticas do google 2011

  © Arqueologia da Paraiba

Back to TOP