Este é o blog da Sociedade Paraibana de Arqueologia. Contato: sparqueologia@gmail.com

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

A Guerra dos Bárbaros: A eliminação dos índios no Cariri


Pe. João Jorge Rietveld*

Para muitos de nós, a palavra guerra é uma palavra que dá medo, uma palavra que ninguém gosta de pronunciar, mas no mesmo instante uma palavra que faz agente dizer aliviado “Graças a Deus, nunca houve guerra aqui”.

Infelizmente isso não é verdade. O que acontece, é que nós gostamos de esquecer as coisas ruins do passado e, por isso, não sabemos que estas terras nossas foram pisadas por guerreiros que se banharam no sangue de inúmeros inocentes. Foi a agressão do homem branco, que veio de Portugal, contra a população original do Brasil, os índios. Para eles, o fato de serem descobertos, constituiu uma tragédia de grandes proporções.

A cobiça e a avidez dos brancos não respeitava nada: tudo o que tinha valor era alvo dos seus interesses, até as próprias terras. Aqui começou o que nós chamamos hoje a “luta pela terra”. E aqui, devemos procurar os motivos pela má distribuição das terras e do latifúndio. Os índios não podiam aceitar este roubo e tantas violações dos seus direitos mais elementares. Eles começaram a se defender. O período mais forte da sua resistência na nossa região se chama “a guerra dos bárbaros”. “Bárbaros” é o nome que os brancos deram aos seus adversários, os índios. Esta guerra durou de 1650 até 1720, começando depois da expulsão dos Holandeses, quando os portugueses iniciaram a sua conquista do interior do país. O início da guerra foi a favor dos índios que conheciam muito melhor a região. algumas tribos (os Jundhuys) até tinham se aliado aos Holandeses para expulsar os Portugueses. Estes também tinham dificuldades em se organizarem. Isso mudou com a vinda do famoso bandeirante Domingos Jorge Velho em1687, o homem que tinha acabado com o Quilombo dos Palmares, o reduto de resistência dos escravos foragidos, com este homem começaram as mais horríveis crueldades: violações, matança de mulheres e crianças, mentiras, traições, torturas, etc. foi uma verdadeira chacina, executada com tanta eficiência que, no final desta guerra, quase não sobrou mais nenhum índio.

Todos eram contra os índios? Graças a deus, nem todos. Uma boa parte dos missionários da igreja tentou proteger os índios contra os ataques vergonhosos. Por isso fundaram “missões” ou “aldeias”, lugares onde eles podiam viver em liberdade mais no regime da Igreja. Assim, os padres Oratorianos criaram em 1654 uma missão na atual Vila de Cimbres entre os índios Sucurus. Os jesuítas criaram uma missão entre os índios Cariri em 1700, em São João do Cariri. Os capuchinhos franceses tinham missões entre os Cariris em Boqueirão como no rio São Francisco desde 1671. e os jesuítas tinham uma fazenda em Fagundes, de 1634 até 1670, onde moravam índios também. É difícil julgar que muitos dos seus representantes se opuseram às intenções de Portugal com relação aos índios. Na medida que os brancos conseguiram acabar com os índios, as tensões no meio deles aumentaram, transformando a guerra dos bárbaros numa guerra dos brancos. Nesta guerra, os missionários se opuseram aos bandeirantes, latifundiários aos moradores, os vaqueiros aos plantadores. Esta guerra continua fazendo vítimas até hoje.

* Teólogo, sócio da SPA.

3 comentários:

josane camara 9 de setembro de 2009 19:58  

parabenizo pela materia muito vai me servir para minhas pesquisas

Anônimo,  7 de setembro de 2011 12:55  

É oportuno dizer que, segundo outras fontes, mesmo vivendo sob a tutela dos missionários, estes também exploraram os nativos brasileiros. Discordo em parte deste techo do Sr João Jorge: Por isso fundaram “missões” ou “aldeias”, lugares onde eles podiam viver em liberdade mais no regime da Igreja.

Anônimo,  29 de setembro de 2011 11:05  

A nosssa História é feita de lutas,ambições e tantos outros adjetivos bons e ruins da vida do ser humano.Dentre essas histórias há os que exploram a vida de muitos que não tem voz nem vez.Mas, todos ficam nessa História

Leia por assuntos

Boletim da SPA eventos Arqueologia evento Pedra do Ingá IHGP História Patrimônio Vandalismo Lançamento Paleontologia Rev. Tarairiú Campina Grande Centro Histórico João Pessoa Revista Eletrônica Arte IHGC Juvandi Tarairiú Carlos Azevedo Homenagem Livro Museu Arqueologia Histórica Artigo Cariri Diário da Borborema Arquivo Espeleologia História da Paraíba Inscrições Rupestres MHN UEPB Nivalson Miranda Pesquisas Vanderley Arte Rupestre Encontro da SPA Evolução Exposição Fósseis Itacoatiaras LABAP Patrimônio Histórico Soledade São João do Cariri Thomas Bruno Achado Arqueológico E-book Falecimento IPHAEP IPHAN Missões Projetos Queimadas Raul Córdula SBE Semana de Humanidades Serra de Bodopitá UEPB UFCG Vale dos Dinossauros Acervo Antropologia Arqueologia Experimental Barra de Santana Brejo Cabaceiras Capitania da Paraíba Cartilha Clerot Cordel Descaso Escavação Estudos Evolutivos FCJA Forte Ingá Itatuba Lagoa Salgada Memórias Natal Niède Guidon Palestra Patrimônio Arqueológico Pesquisador Piauí Serra da Capivara Serras da Paraíba São João do Tigre UBE-PB USP Uruguai Walter Neves África ALANE ANPAP APA das Onças Amazônia Amélia Couto Antônio Mariano Apodi Araripe Areia Arqueologia Industrial Arqueologia Pública Aula de campo Aziz Ab'Saber Bacia do Prata Belo Monte Biografia Boqueirão Brasil CNPq Camalaú Caraúbas Carta circular Casino Eldorado Ceará Cemitério Comadre Florzinha Concurso Cozinhar Curimataú Curso Curta-metragem Datação Dennis Mota Descoberta Dom Pedro I Dossiê Educação Ambiental Educação Patrimonial Elpídio de Almeida Emancipação política Espaço Cultural Esponja Exumação Falésia do Cabo Branco Fazendas de gado Feira de Campina Grande Fonte Histórica Forte Velho Funai Gargaú Geografia Geologia Geopark Guerra dos Bárbaros Guilherme História Viva Hominídeo IHCG IHGRN IPHAN-RN Ipuarana Jesuítas Jornal da Ciência José Octávio Juandi Juciene Apolinário Laboratório Lagoa Pleistocênica Lagoa de Pedra Lajedo de Soledade Linduarte Noronha Litoral Luto MAC Mato Grosso Matéria de TV Memórias do Olhar Mostra Museu Itinerante Ocupação humana Olivedos PROPESQ Paleo Paraíba Pará Pe. Luiz Santiago Pedro Nunes Pernambuco Pilões Pleistoceno Pocinhos Ponto de Cultura Projeto Catálogo Pré-História Pré-História submersa Quilombola Reivindicação Reportagem Revista Rio Paraíba SBP SBPC Santa Luzia Sebo Cultural Seminário Semiárido Seridó Serra Branca Serra Velha Serra da Raposa Serra das Flechas Sertão Sessão Especial Sobrado Sumé São Mamede São Thomé do Sucurú Sócios TAAS Teleférico Terra Tome Ciência Técnicas Cartográficas UEPB Campus III Uol pelo Brasil Zonas arqueológicas caiabis mundurucu usina Índia Índios âmbar

Visitas desde SET 08

Translate

Estatísticas do google 2011

  © Arqueologia da Paraiba

Back to TOP