Por motivo de manutenção dos servidores da UEPB, os números anteriores do Boletim estão temporariamente inacessíveis.
Este é o blog da Sociedade Paraibana de Arqueologia. Contato: sparqueologia@gmail.com

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

SPA registra vandalismo na Pedra do Ingá



A Pedra do Ingá, que é um dos sítios arqueológicos mais célebres do mundo, foi recentemente alvo de vandalismo. Uma equipe da Sociedade Paraibana de Arqueologia, composta pelos pesquisadores Vanderley de Brito, Thomas Bruno Oliveira e Dennis Mota, no dia primeiro do mês de dezembro de 2008, esteve verificando uma denúncia anônima que recebera sobre o ocorrido neste sítio arqueológico.



Segundo a entidade civil, a ação danosa é composta de sete intervenções, todas no painel principal da Pedra, onde está o maior conjunto de petróglifos. Destas, duas são finos riscos no interior de gravuras (danificando o polimento), três são intervenções a golpes ferindo a Pedra (um dos quais chegando a subtrair partes de uma saliência rochosa como que o objetivo fosse desfalcar uma camada) e outras duas são compostas de riscos angulares (raspados) ao lado de gravuras.



A estrutura de apoio da Pedra do Ingá está sob a responsabilidade informal do aposentado Renato Alves da Silva e sua esposa, comerciantes que há vinte anos administram um bar-restaurante no prédio existente próximo à Pedra com inscrições milenares. Nos primeiros meses de 2008, o prefeito de Ingá, Sr. Antônio de Miranda Burity, destacou dois seguranças diurnos para o sítio arqueológico com objetivo de fiscalizar as visitações e impedir o banho e o consumo de bebidas alcoólicas nas adjacências do monumento arqueológico. No entanto, em meados de novembro do mesmo ano a prefeitura suspendeu esta segurança por motivos de contenção de gastos. Coincidência ou não, o ato depredatório ocorrera exatamente neste período em que a Pedra estaria sem este aparato preventivo, pois na última visita de estudiosos da SPA à Pedra, ocorrida em vinte de novembro do corrente, não se observou estas marcas de vandalismo.



Antes da instalação do casal de comerciantes e da conscientização turística promovida por Burity a partir de sua primeira gestão municipal, a Pedra já havia sofrido muitas intervenções vandálicas e a fachada do monumento era repleta de ranhuras, registrando nomes próprios, datas e juras de amor. Todavia, estas intervenções vândalas, por serem fricções superficiais, foram facilmente removidas em 1996, durante uma limpeza com escova de nylon sobre a superfície do monumento feita no intento de retirar os microorganismos da pedra para o meticuloso processo de moldagem das gravuras que fora executada naquela oportunidade. Depois desta limpeza, e um trabalho de conscientização realizado na década de 90 pela prefeitura de Ingá, através da historiadora Mali Trevas, junto à sociedade ingaense, até então, não mais se havia registrado atos de desrespeito ao monumento arqueológico. Portanto, há mais de vinte anos que não se verificava vandalismo na Pedra do Ingá, mesmo sem a presença preventiva de um vigilante oficial.


O casal de comerciantes se mantém na Pedra diariamente até por volta das 16h, quando se encerra as visitações, ficando a mesma à revelia no período noturno e é possível que a ação vandálica tenha ocorrido neste turno em que a Pedra se encontra desguarnecida, embora também possa ter ocorrido durante o dia, já que o casal se mantém mais frequentemente em suas instalações de comércio e o acesso à Pedra pode ser feito clandestinamente através do riacho ou das propriedades circunvizinhas. É comum se ver gado transitando livre na área tombada das inscrições e pessoas apanhando peixes encurralados entre as pedras do riacho.



Na oportunidade da visita da equipe da Sociedade Paraibana de Arqueologia ao local, se realizou fotografias registrando em detalhes os danos da depredação e o vice-presidente da entidade, professor Juvandi de Souza Santos, já protocolou junto ao Ministério Público uma denúncia do fato, para que medidas urgentes de salvaguarda sejam procedidas em favor deste importante testemunho cultural pré-histórico.



No dia 05 de dezembro do corrente, pesquisadores da SPA estiveram na Pedra do Ingá com uma equipe jornalística da TV Paraíba para registrar uma matéria do ocorrido, que foi vinculada no dia seguinte durante o programa jornalístico da emissora (JPB 2a Edição).


0 comentários:

Leia por assuntos

Boletim da SPA eventos Arqueologia evento Pedra do Ingá IHGP História Patrimônio Vandalismo Lançamento Paleontologia Rev. Tarairiú Campina Grande Centro Histórico João Pessoa Revista Eletrônica Arte IHGC Juvandi Tarairiú Cariri Carlos Azevedo Homenagem Livro Museu Arqueologia Histórica Artigo Diário da Borborema Arquivo Espeleologia História da Paraíba IPHAEP Inscrições Rupestres MHN UEPB Nivalson Miranda Pesquisas Thomas Bruno Vanderley Arte Rupestre Encontro da SPA Evolução Exposição Fósseis Itacoatiaras LABAP Patrimônio Histórico Soledade São João do Cariri Achado Arqueológico E-book Falecimento IPHAN Missões Palestra Piauí Projetos Queimadas Raul Córdula SBE Semana de Humanidades Serra de Bodopitá UEPB UFCG Vale dos Dinossauros Acervo Antropologia Arqueologia Experimental Barra de Santana Boqueirão Brejo Cabaceiras Capitania da Paraíba Cartilha Clerot Cordel Descaso Escavação Estudos Evolutivos FCJA Forte Ingá Itatuba Lagoa Salgada Memórias Natal Niède Guidon Patrimônio Arqueológico Pesquisador Serra da Capivara Serras da Paraíba São João do Tigre UBE-PB USP Uruguai Walter Neves África ALANE ANPAP APA das Onças Amazônia Amélia Couto Antônio Mariano Apodi Araripe Areia Arqueologia Industrial Arqueologia Pública Aula de campo Aziz Ab'Saber Bacia do Prata Belo Monte Biografia Brasil CNPq Camalaú Caraúbas Carta circular Casino Eldorado Cavidade Natural Ceará Cemitério Comadre Florzinha Concurso Cozinhar Cuité Curimataú Curso Curta-metragem Datação Dennis Mota Descoberta Dom Pedro I Dossiê Educação Ambiental Educação Patrimonial Elpídio de Almeida Emancipação política Espaço Cultural Esponja Exumação Falésia do Cabo Branco Fazendas de gado Feira de Campina Grande Fonte Histórica Forte Velho Funai Fórum Permanente Ciência e Cultura Gargaú Geografia Geologia Geopark Guerra dos Bárbaros Guilherme História Viva Hominídeo IHCG IHGRN IPHAN-RN Ipuarana Jesuítas Jornal da Ciência José Octávio Juandi Juciene Apolinário Laboratório Lagoa Pleistocênica Lagoa de Pedra Lajedo de Soledade Linduarte Noronha Litoral Luto MAC Mato Grosso Matéria de TV Memórias do Olhar Mostra Museu Itinerante Ocupação humana Olivedos PROPESQ Paleo Paraíba Pará Pe. Luiz Santiago Pedro Nunes Pernambuco Pilões Pleistoceno Pocinhos Ponto de Cultura Projeto Catálogo Pré-História Pré-História submersa Quilombola Reivindicação Reportagem Revista Rio Paraíba SAB SBP SBPC Santa Luzia Sebo Cultural Seminário Semiárido Seridó Serra Branca Serra Velha Serra da Raposa Serra das Flechas Sertão Sessão Especial Sobrado Sumé São Mamede São Thomé do Sucurú Sócios TAAS Teleférico Terra Tome Ciência Técnicas Cartográficas UEPB Campus III Uol pelo Brasil Zonas arqueológicas caiabis mundurucu usina Índia Índios âmbar

Visitas desde SET 08

Translate

Estatísticas do google 2011

  © Arqueologia da Paraiba

Back to TOP