Por motivo de manutenção dos servidores da UEPB, os números anteriores do Boletim estão temporariamente inacessíveis.
Este é o blog da Sociedade Paraibana de Arqueologia. Contato: sparqueologia@gmail.com

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Era uma vez a Caranguejo!

Thomas Bruno Oliveira*

Campina Grande é uma cidade que não sabe conviver com seu passado, não possuímos as marcas de suas várias historicidades. Falando sobre Nova Iorque, o pensador francês Michel de Certeau afirmou que: “Diferente neste ponto de Roma, Nova Iorque nunca soube a arte de envelhecer curtindo todo o seu passado. Seu presente se inventa, de hora em hora, no ato de lançar o que adquiriu e de desafiar o futuro” (CERTEAU, 2008. p.169). Me parece que, salvo as devidas proporções, a cidade de Campina Grande possui uma característica que é marcante em Nova Iorque, não se sabe conviver com o seu próprio passado! A cidade deve ser vanguarda, ganhar o progresso. Desta forma, a “capital do trabalho”, a “ rainha da Borborema” têm seu patrimônio histórico sendo profanado cotidianamente.

Sinal verde para a destruição do patrimônio

Nesta seara, no dia de ontem, tivemos a demolição do prédio da antiga fábrica de aguardente Caranguejo, às margens do Açude Velho. Um grande trator de esteira em pouco mais de uma hora levou a baixo praticamente toda a estrutura do prédio. Em agosto de 2010 foi a vez da chaminé-bueiro, uma das três existentes naquelas cercanias, testemunhando a primeira etapa de industrialização da cidade. O parque industrial sobreviveu bebendo as águas do Açude Velho e o “ouro-branco” prosperou sendo comercializado no mundo todo, dando o status à Campina Grande de “Liverpool brasileira”, exatamente pela pujança no comercio algodoeiro só superado por esta cidade inglesa.

Às 06 da manhã o trator-esteira iniciou o processo de destruição no lado defronte ao Hiper Bompreço, rasgando a face de entrada do prédio, trabalho este que foi paralisado e transferido para a noite por conta do trânsito verificado no horário. Às 09 da noite, pontualmente, o processo se desenrolou. Munido de filmadora e máquina fotográfica, estive em conjunto com o Prof. Vanderley de Brito para fazer o que nos restava, registrar aquela destruição. “Doeu no coração!! A imensidão da máquina e a poeira foi a dor nos olhos!!!, me disse a amiga Profa. Manuela Aguiar. Muito barulho, muita poeira e um século de história indo ao chão.



No último dia 10 de abril em uma matéria intitulada “Patrimônio Histórico é Destruído”, assinada por Antônio Ribeiro do Jornal Diário da Borborema, vi a informação de que: “A construtora responsável pelas obras de edificação do empresarial Plaza Shopping e do complexo multi uso, que serão erguidos no terreno onde funcionou a fábrica Caranguejo, em Campina Grande, vai ter que construir uma réplica da chaminé que fora derrubada em agosto passado. De acordo com o promotor de Defesa do Meio Ambiente, José Eulâmpio Duarte, a torre era tombada como patrimônio histórico pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado da Paraiba (Iphaep) e não podia ter sido destruída. Além da réplica da chaminé, a empresa terá ainda que recuperar todos os armazéns do espaço da Estação Velha, como compensação pelo dano causado ao patrimônio histórico e cultural da cidade. Esta ação foi oficializada através de um Termo de Ajustamento de Conduta – TAC imposto pelo Ministério Público à empresa responsável pelo empreendimento, uma das denúncias foi de minha autoria.

O próximo prédio a ser demolido, certamente, será o antigo DTOG (Departamento de Transporte, Oficina e Garagem) que hoje abriga a Gráfica Municipal. O prédio histórico está sendo leiloado pelo poder municipal e a construtora que o adquirir, certamente dará o mesmo triste destino que teve o prédio da Caranguejo. Resta saber se este TAC será cumprido ou teremos um desenfreamento deste duro golpe nas marcas do passado de nossa cidade. Era uma vez a Caranguejo! Pelo menos a fábrica mudou de lugar e não parou a sua produção.

*Historiador, thomasarqueologia@gmail.com

0 comentários:

Leia por assuntos

Boletim da SPA eventos Arqueologia evento Pedra do Ingá IHGP História Patrimônio Vandalismo Lançamento Paleontologia Rev. Tarairiú Campina Grande Centro Histórico João Pessoa Revista Eletrônica Arte IHGC Juvandi Tarairiú Cariri Carlos Azevedo Homenagem Livro Museu Arqueologia Histórica Artigo Diário da Borborema Arquivo Espeleologia História da Paraíba Inscrições Rupestres MHN UEPB Nivalson Miranda Pesquisas Thomas Bruno Vanderley Arte Rupestre Encontro da SPA Evolução Exposição Fósseis IPHAEP Itacoatiaras LABAP Patrimônio Histórico Soledade São João do Cariri Achado Arqueológico E-book Falecimento IPHAN Missões Palestra Piauí Projetos Queimadas Raul Córdula SBE Semana de Humanidades Serra de Bodopitá UEPB UFCG Vale dos Dinossauros Acervo Antropologia Arqueologia Experimental Barra de Santana Boqueirão Brejo Cabaceiras Capitania da Paraíba Cartilha Clerot Cordel Descaso Escavação Estudos Evolutivos FCJA Forte Ingá Itatuba Lagoa Salgada Memórias Natal Niède Guidon Patrimônio Arqueológico Pesquisador Serra da Capivara Serras da Paraíba São João do Tigre UBE-PB USP Uruguai Walter Neves África ALANE ANPAP APA das Onças Amazônia Amélia Couto Antônio Mariano Apodi Araripe Areia Arqueologia Industrial Arqueologia Pública Aula de campo Aziz Ab'Saber Bacia do Prata Belo Monte Biografia Brasil CNPq Camalaú Caraúbas Carta circular Casino Eldorado Cavidade Natural Ceará Cemitério Comadre Florzinha Concurso Cozinhar Cuité Curimataú Curso Curta-metragem Datação Dennis Mota Descoberta Dom Pedro I Dossiê Educação Ambiental Educação Patrimonial Elpídio de Almeida Emancipação política Espaço Cultural Esponja Exumação Falésia do Cabo Branco Fazendas de gado Feira de Campina Grande Fonte Histórica Forte Velho Funai Fórum Permanente Ciência e Cultura Gargaú Geografia Geologia Geopark Guerra dos Bárbaros Guilherme História Viva Hominídeo IHCG IHGRN IPHAN-RN Ipuarana Jesuítas Jornal da Ciência José Octávio Juandi Juciene Apolinário Laboratório Lagoa Pleistocênica Lagoa de Pedra Lajedo de Soledade Linduarte Noronha Litoral Luto MAC Mato Grosso Matéria de TV Memórias do Olhar Mostra Museu Itinerante Ocupação humana Olivedos PROPESQ Paleo Paraíba Pará Pe. Luiz Santiago Pedro Nunes Pernambuco Pilões Pleistoceno Pocinhos Ponto de Cultura Projeto Catálogo Pré-História Pré-História submersa Quilombola Reivindicação Reportagem Revista Rio Paraíba SAB SBP SBPC Santa Luzia Sebo Cultural Seminário Semiárido Seridó Serra Branca Serra Velha Serra da Raposa Serra das Flechas Sertão Sessão Especial Sobrado Sumé São Mamede São Thomé do Sucurú Sócios TAAS Teleférico Terra Tome Ciência Técnicas Cartográficas UEPB Campus III Uol pelo Brasil Zonas arqueológicas caiabis mundurucu usina Índia Índios âmbar

Visitas desde SET 08

Translate

Estatísticas do google 2011

  © Arqueologia da Paraiba

Back to TOP