Por motivo de manutenção dos servidores da UEPB, os números anteriores do Boletim estão temporariamente inacessíveis.
Este é o blog da Sociedade Paraibana de Arqueologia. Contato: sparqueologia@gmail.com

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

A casa-grande da Fazenda Amaro


Pedro Nunes Filho*

TRATA-SE DE uma das casas de fazenda mais antigas e imponentes do Município de Monteiro. Quem a construiu, ninguém sabe ao certo.  Para descobrir sua história será preciso realizar demoradas pesquisas em documentos cartoriais. Por enquanto, segredo não revelado. Segundo dizem, mistérios é que trazem emoção e desafiam mentes inquietas e curiosas.
Embora se trate de fazenda secular, saí à sua procura e quase ninguém sabia instruir-me acerca de sua localização. Dificuldades e pouca informação remetem ao desconhecido e tornam a procura ainda mais instigante. Depois de muitas buscas, escondida na cabeceira de um baixio extenso, de repente, diante dos meus olhos, a casa-grande do Amaro, fortaleza perdida no meio das caatingas. Sem dúvida, mais bonita ainda do que eu imaginava!
Autorizado a visitar a casa, entrei com o mesmo respeito de quem ingressa num templo sagrado com intuito de orar. Visita silenciosa, rendi homenagem a quantos por ali passaram, deixando rastos de bravura nos caminhos boiadeiros daqueles sertões inóspitas.  Verdade é que os habitantes daquele casarão sequer deixaram vestígio de suas existências, a não ser a própria construção. Paredes não falam. Se falassem... Ah, meu senhor, se elas falassem, eu teria muito mais coisas para lhe contar!...

Casa grande da Fazenda Amaro. Tratada digitalmente. Pedro Nunes Filho.

Pelos detalhes rústicos que ostenta, a obra encanta qualquer visitante de bom gosto. Linhas inteiriças, brabos e pontaletes, todos de miolo de aroeira. Caibros roliços de pereiro, ripas de freijó. Janelas e portas de madeiras nobres teimam em resistir ao tempo. Pé-direito alto, paredes dobradas. Fechaduras, ferrolhos, dobradiças, chaves e pregos, peças de arte forjadas na bigorna por mãos obreiras talentosas. Traves, taramelas e armadores de rede, em miolo de baraúna. Velhas mesas e bancos com bordas carcomidas pelo tempo. Oratório de devoção em recanto silencioso. Em tudo, a estética da simplicidade e o perfume do tempo.
Figuro que o velho casarão foi construído nos idos de 1700. Em duas etapas, creio. Primeiro, o módulo original: chalé alto, com primeiro andar, à semelhança dos velhos sobrados portugueses. Detalhe nunca visto em outras construções despertou minha atenção: recantos externos curvos, peculiaridade estética de rara beleza, fruto da criatividade de algum mestre de obra hábil e caprichoso. Quem sabe, o famoso Mestre João, construtor de igrejas monumentais! Quem sabe?...
Cor de ocre, a fachada principal é voltada para o Sul. O corpo da casa, pintado de cal. Quatro janelões sobranceiros, emoldurados com vistas brancas mostram marcas de balas das festas de guerra que há cem anos, um dia, ali aconteceram.
Dois pavimentos. No térreo, grande salão, cozinha e cômodo para estocar alimentos, na época, em abundância e da própria lavra. No primeiro andar, os aposentos, com assoalhos de madeira, hoje, em mau estado de conservação.
A segunda etapa da casa parece ter vindo tempos depois. A prole crescendo pedia mais espaços. Sem perder o senso estético, o patriarca fez uma puxada na lateral direita. Na frente, duas janelas e uma porta de entrada. Mãos-francesas ajudam a sustentar a biqueira, um pouco mais avançadas para proteger a porta de entrada contra as chuvas. Dentro, escada e passarela de madeira dão acesso aos aposentos da família, que eram muitos.
No primeiro andar, furo enviesado, saindo em cima da porta de entrada da casa. Armadilha para introduzir cano de rifle e despejar sementes de fogo em inimigos afoitos que se aventurassem a penetrar à força na intimidade do casarão.
Fora, céus infinitamente azuis, alicerces fincados em terra vermelha e pedregosa. Escada de alvenaria. Telhados escurecidos pela ação do tempo.
No mais, a Guerra de 12, que ali teve início.


*Sócio Efetivo da SPA
pnunesfilho@yahoo.com.br

2 comentários:

Esbalda mendes,  2 de março de 2012 19:07  

Sou de São Paulo e minha vo Dalva Rodrigues Bezerra nasceu e se criou nesta casa, filha de Aristides e Josefa.
Tive o prazer de conhecer e passear por este lugar que realmente e encantador.

Anônimo,  26 de março de 2012 21:12  

que fez a casa foi manoel monteiro bisavo da minha vo hellena aqui e a neta dela flaviana

Leia por assuntos

Boletim da SPA eventos Arqueologia evento Pedra do Ingá IHGP História Patrimônio Vandalismo Lançamento Paleontologia Rev. Tarairiú Campina Grande Centro Histórico João Pessoa Revista Eletrônica Arte IHGC Juvandi Tarairiú Cariri Carlos Azevedo Homenagem Livro Museu Arqueologia Histórica Artigo Diário da Borborema Arquivo Espeleologia História da Paraíba IPHAEP Inscrições Rupestres MHN UEPB Nivalson Miranda Pesquisas Thomas Bruno Vanderley Arte Rupestre Encontro da SPA Evolução Exposição Fósseis Itacoatiaras LABAP Patrimônio Histórico Soledade São João do Cariri Achado Arqueológico E-book Falecimento IPHAN Missões Palestra Piauí Projetos Queimadas Raul Córdula SBE Semana de Humanidades Serra de Bodopitá UEPB UFCG Vale dos Dinossauros Acervo Antropologia Arqueologia Experimental Barra de Santana Boqueirão Brejo Cabaceiras Capitania da Paraíba Cartilha Clerot Cordel Descaso Escavação Estudos Evolutivos FCJA Forte Ingá Itatuba Lagoa Salgada Memórias Natal Niède Guidon Patrimônio Arqueológico Pesquisador Serra da Capivara Serras da Paraíba São João do Tigre UBE-PB USP Uruguai Walter Neves África ALANE ANPAP APA das Onças Amazônia Amélia Couto Antônio Mariano Apodi Araripe Areia Arqueologia Industrial Arqueologia Pública Aula de campo Aziz Ab'Saber Bacia do Prata Belo Monte Biografia Brasil CNPq Camalaú Caraúbas Carta circular Casino Eldorado Cavidade Natural Ceará Cemitério Comadre Florzinha Concurso Cozinhar Cuité Curimataú Curso Curta-metragem Datação Dennis Mota Descoberta Dom Pedro I Dossiê Educação Ambiental Educação Patrimonial Elpídio de Almeida Emancipação política Espaço Cultural Esponja Exumação Falésia do Cabo Branco Fazendas de gado Feira de Campina Grande Fonte Histórica Forte Velho Funai Fórum Permanente Ciência e Cultura Gargaú Geografia Geologia Geopark Guerra dos Bárbaros Guilherme História Viva Hominídeo IHCG IHGRN IPHAN-RN Ipuarana Jesuítas Jornal da Ciência José Octávio Juandi Juciene Apolinário Laboratório Lagoa Pleistocênica Lagoa de Pedra Lajedo de Soledade Linduarte Noronha Litoral Luto MAC Mato Grosso Matéria de TV Memórias do Olhar Mostra Museu Itinerante Ocupação humana Olivedos PROPESQ Paleo Paraíba Pará Pe. Luiz Santiago Pedro Nunes Pernambuco Pilões Pleistoceno Pocinhos Ponto de Cultura Projeto Catálogo Pré-História Pré-História submersa Quilombola Reivindicação Reportagem Revista Rio Paraíba SAB SBP SBPC Santa Luzia Sebo Cultural Seminário Semiárido Seridó Serra Branca Serra Velha Serra da Raposa Serra das Flechas Sertão Sessão Especial Sobrado Sumé São Mamede São Thomé do Sucurú Sócios TAAS Teleférico Terra Tome Ciência Técnicas Cartográficas UEPB Campus III Uol pelo Brasil Zonas arqueológicas caiabis mundurucu usina Índia Índios âmbar

Visitas desde SET 08

Translate

Estatísticas do google 2011

  © Arqueologia da Paraiba

Back to TOP