Por motivo de manutenção dos servidores da UEPB, os números anteriores do Boletim estão temporariamente inacessíveis.
Este é o blog da Sociedade Paraibana de Arqueologia. Contato: sparqueologia@gmail.com

quarta-feira, 6 de julho de 2011

O mergulho de uma pedra nas águas do Bacamarte

Thomas Bruno Oliveira*

Pela terceira vez no ano (no último 04 de maio), o sítio arqueológico Pedra do Ingá imerge nas águas do Riacho Bacamarte, evento antes ocorrido só no inverno de 2004. A Pedra do Ingá é um conjunto de painéis de inscrições rupestres gravadas em dura rocha gnaisse no sítio Pedra Lavrada, distante cerca de 5km da zona urbana do município de Ingá.

Pedra do Ingá parcialmente coberta. SPA
As inscrições gravadas foram realizadas há milênios pelos nativos que habitaram estas terras e se conservam até hoje devido às condições ambientais existentes até algumas décadas passadas, precisamente os começos do século XX. Hoje em dia, a mata ciliar não é suficiente para o equilíbrio térmico da pedra durante o dia, causando o “acebolamento” da rocha, onde suas camadas superficiais são desprendidas devido ao ato contínuo de dilatação (com o calor do dia) e o resfriamento (a noite, com o frio). Com a mata ciliar recomposta, haveria uma menor exposição ao sol e este efeito seria reduzido.

O Riacho Bacamarte nasce na antiga “lagoa do véi Pedro”, em Nova Brasília, bairro de Campina Grande-PB. Seu curso se dá pela Serra da Cachoeira, região de declive na zona leste da cidade, com destino a Pedra do Marinho. Da zona rural de Campina, o regato segue pelas cidades do Riachão do Bacamarte, Ingá e Mogeiro, desaguando no Rio Paraíba no lugar chamado de Dois Riachos.

As águas do Bacamarte recebem forte poluição dos esgotos de Campina Grande, Riachão do Bacamarte e Ingá (inclusive do hospital desta cidade), tornando o curso d’água danoso a saúde humana na maior parte do ano. A poluição também é um risco a integridade do sítio arqueológico Pedra do Ingá, pois sendo formado por águas poluídas, repleta de substâncias químicas, estas atingem a pedra e podem asseverar o processo de esfoliação das camadas superficiais de todo o pedregal, sobretudo, das regiões onde existem inscrições gravadas e não só isso, os fortes enxurros trazem uma série de materiais sólidos que se chocam violentamente contra a Pedra e que podem trazer danos irreparáveis a este importante documento lítico.

A força das águas. Pedra do Ingá coberta pelas águas. SPA

O espetáculo da cheia do Bacamarte, descendo em corredeira, submergiu a Pedra. Evento interessante de se ver, porém, danoso ao patrimônio arqueológico ali existente. Se faz necessário que as instituições de preservação do patrimônio, assim como o poder municipal, reflitam sobre a possibilidade de se desviar este curso d’água, a fim de garantir vida longa a este que é um dos sítios arqueológicos mais populares do Brasil e do Mundo.

*Historiador, Presidente da SPA. thomasarqueologia@gmail.com - @thomashistoria

0 comentários:

Leia por assuntos

Boletim da SPA eventos Arqueologia evento Pedra do Ingá IHGP História Patrimônio Vandalismo Lançamento Paleontologia Rev. Tarairiú Campina Grande Centro Histórico João Pessoa Revista Eletrônica Arte IHGC Juvandi Tarairiú Cariri Carlos Azevedo Homenagem Livro Museu Arqueologia Histórica Artigo Diário da Borborema Arquivo Espeleologia História da Paraíba IPHAEP Inscrições Rupestres MHN UEPB Nivalson Miranda Pesquisas Thomas Bruno Vanderley Arte Rupestre Encontro da SPA Evolução Exposição Fósseis Itacoatiaras LABAP Patrimônio Histórico Soledade São João do Cariri Achado Arqueológico E-book Falecimento IPHAN Missões Palestra Piauí Projetos Queimadas Raul Córdula SBE Semana de Humanidades Serra de Bodopitá UEPB UFCG Vale dos Dinossauros Acervo Antropologia Arqueologia Experimental Barra de Santana Boqueirão Brejo Cabaceiras Capitania da Paraíba Cartilha Clerot Cordel Descaso Escavação Estudos Evolutivos FCJA Forte Ingá Itatuba Lagoa Salgada Memórias Natal Niède Guidon Patrimônio Arqueológico Pesquisador Serra da Capivara Serras da Paraíba São João do Tigre UBE-PB USP Uruguai Walter Neves África ALANE ANPAP APA das Onças Amazônia Amélia Couto Antônio Mariano Apodi Araripe Areia Arqueologia Industrial Arqueologia Pública Aula de campo Aziz Ab'Saber Bacia do Prata Belo Monte Biografia Brasil CNPq Camalaú Caraúbas Carta circular Casino Eldorado Cavidade Natural Ceará Cemitério Comadre Florzinha Concurso Cozinhar Cuité Curimataú Curso Curta-metragem Datação Dennis Mota Descoberta Dom Pedro I Dossiê Educação Ambiental Educação Patrimonial Elpídio de Almeida Emancipação política Espaço Cultural Esponja Exumação Falésia do Cabo Branco Fazendas de gado Feira de Campina Grande Fonte Histórica Forte Velho Funai Fórum Permanente Ciência e Cultura Gargaú Geografia Geologia Geopark Guerra dos Bárbaros Guilherme História Viva Hominídeo IHCG IHGRN IPHAN-RN Ipuarana Jesuítas Jornal da Ciência José Octávio Juandi Juciene Apolinário Laboratório Lagoa Pleistocênica Lagoa de Pedra Lajedo de Soledade Linduarte Noronha Litoral Luto MAC Mato Grosso Matéria de TV Memórias do Olhar Mostra Museu Itinerante Ocupação humana Olivedos PROPESQ Paleo Paraíba Pará Pe. Luiz Santiago Pedro Nunes Pernambuco Pilões Pleistoceno Pocinhos Ponto de Cultura Projeto Catálogo Pré-História Pré-História submersa Quilombola Reivindicação Reportagem Revista Rio Paraíba SAB SBP SBPC Santa Luzia Sebo Cultural Seminário Semiárido Seridó Serra Branca Serra Velha Serra da Raposa Serra das Flechas Sertão Sessão Especial Sobrado Sumé São Mamede São Thomé do Sucurú Sócios TAAS Teleférico Terra Tome Ciência Técnicas Cartográficas UEPB Campus III Uol pelo Brasil Zonas arqueológicas caiabis mundurucu usina Índia Índios âmbar

Visitas desde SET 08

Translate

Estatísticas do google 2011

  © Arqueologia da Paraiba

Back to TOP