Por motivo de manutenção dos servidores da UEPB, os números anteriores do Boletim estão temporariamente inacessíveis.
Este é o blog da Sociedade Paraibana de Arqueologia. Contato: sparqueologia@gmail.com

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Aquele “olhar distanciado”

Carlos Alberto Azevedo*

Aprendi erroneamente nas aulas de antropologia que o antropólogo deve manter um “olhar distanciado” (a expressão é de Claude Lévi-Strauss). Deve-se distanciar dos padrões e valores da cultura do outro, para evitar, assim, maior participação no grupo em que se quer pesquisar. Esta seria a atitude “correta”, antropologicamente “correta”, por parte de quem investiga fatos relacionados à cultura material ou imaterial de um povo.

Questiono muito esse “olhar distanciado”. Essa distância abissal entre o antropólogo e seu objeto de estudo. O próprio Lévi-Strauss envolveu-se profundamente na cultura dos kadiwéu e dos nambiquara. Basta ler Tristes trópicos (1955) para notar que ele não optou pelo “olhar distanciado” ao descrever os costumes dessas etnias. Refiro-me ao primeiro Lévi-Strauss.

Na década de 1970, em plena ditadura militar, desenvolvi uma investigação antropológica nos candomblés da Bahia (Salvador). A princípio, então, tentei manter àquele “olhar distanciado”, mas como observador participante, confesso, foi muito difícil de ficar à parte da dinâmica cultural do candomblé.

Participei ativamente do culto afro-brasileiro. Frequentei o Gantois e outros terreiros. Fui purificado através de um ritual de ervas sagradas, para tirar as más-energias que trazia comigo. Nesse tempo conheci Mãe Menininha (Maria Escolástica da Conceição Nazareth). Quase fui ogã do Gantois. Resumindo, sentia-me como se fosse filho espiritual de Menininha.

Mas essa falta de “olhar distanciado” não me prejudicou em nada, muito pelo contrário, fiz um excelente trabalho, minha monografia: Mitos e ritos nos grupos de cultos afro-brasileiros (1971), foi aprovada com distinção pela banca examinadora.

Outro exemplo de ausência de “olhar distanciado”: Roger Bastide, etnólogo francês que escreveu um dos melhores livros sobre os cultos afro-brasileiros: O candomblé da Bahia (1961). Bastide foi ogã de diversos candomblés. Quase se iniciou no culto – era filho de Xangô. Nem por isso deixou de fazer um trabalho científico criterioso.

Citaria ainda mais alguns antropólogos que não se preocuparam com “olhar distanciado”. Já que me refiro ao espaço afro-baiano, destaco as pesquisas da norte-americana Ruth Landes: A cidade das mulheres (1967) e do antropólogo alemão (ainda não traduzido para o português) Hubert Fichte: Xangô: Die afroamerikanischen Religionen: Bahia, Haiti und Trinidad (1976). Ambos escreveram sobre cultos afros sem aquele distanciamento crítico.

Landes viveu nos candomblés da Bahia durante o Estado Novo. Foi denunciada como comunista. Recebeu críticas injustas dos antropólogos Arthur Ramos e Melville Herskovits, porque ela fazia um trabalho incrível, uma pesquisa moderna para a época. Contou com o apoio de Édison Carneiro que a introduziu nos candomblés de Salvador.

Já o pesquisador alemão Hubert Fichte chegou ao extremo. Viveu intensamente a cultura brasileira. Suas pesquisas são interativas – não distingue o sujeito do objeto -, sua visão holística não tem limites. Quem ler Xangô: Die afroamerikanischen Religionen, nota logo que o antropologo “saiu de si, procurando todos os indícios da realidade exterior oculta na cultura de outrem” (cf. Jean-Marie Auzias, A antropologia contemporânea, 1984: 102).

Seu texto é bastante original: o autor e os atores se confundem. Até as notícias dos jornais de Salvador sobre candomblés são levadas em conta, incorporadas à teia textual. Fichte estabelece um diálogo entre o cotidiano e a antropologia.

Acredito no antropólogo que vê a cultura do outro sem distanciamento – mesmo que haja viés – pois sem emoção, sem calor humano, não se pode estudar o homem.

* Antropólogo, Membro da Direção da SPA.

0 comentários:

Leia por assuntos

Boletim da SPA eventos Arqueologia evento Pedra do Ingá IHGP História Patrimônio Vandalismo Lançamento Paleontologia Rev. Tarairiú Campina Grande Centro Histórico João Pessoa Revista Eletrônica Arte IHGC Juvandi Tarairiú Cariri Carlos Azevedo Homenagem Livro Museu Arqueologia Histórica Artigo Diário da Borborema Arquivo Espeleologia História da Paraíba Inscrições Rupestres MHN UEPB Nivalson Miranda Pesquisas Thomas Bruno Vanderley Arte Rupestre Encontro da SPA Evolução Exposição Fósseis IPHAEP Itacoatiaras LABAP Patrimônio Histórico Soledade São João do Cariri Achado Arqueológico E-book Falecimento IPHAN Missões Palestra Piauí Projetos Queimadas Raul Córdula SBE Semana de Humanidades Serra de Bodopitá UEPB UFCG Vale dos Dinossauros Acervo Antropologia Arqueologia Experimental Barra de Santana Boqueirão Brejo Cabaceiras Capitania da Paraíba Cartilha Clerot Cordel Descaso Escavação Estudos Evolutivos FCJA Forte Ingá Itatuba Lagoa Salgada Memórias Natal Niède Guidon Patrimônio Arqueológico Pesquisador Serra da Capivara Serras da Paraíba São João do Tigre UBE-PB USP Uruguai Walter Neves África ALANE ANPAP APA das Onças Amazônia Amélia Couto Antônio Mariano Apodi Araripe Areia Arqueologia Industrial Arqueologia Pública Aula de campo Aziz Ab'Saber Bacia do Prata Belo Monte Biografia Brasil CNPq Camalaú Caraúbas Carta circular Casino Eldorado Cavidade Natural Ceará Cemitério Comadre Florzinha Concurso Cozinhar Cuité Curimataú Curso Curta-metragem Datação Dennis Mota Descoberta Dom Pedro I Dossiê Educação Ambiental Educação Patrimonial Elpídio de Almeida Emancipação política Espaço Cultural Esponja Exumação Falésia do Cabo Branco Fazendas de gado Feira de Campina Grande Fonte Histórica Forte Velho Funai Fórum Permanente Ciência e Cultura Gargaú Geografia Geologia Geopark Guerra dos Bárbaros Guilherme História Viva Hominídeo IHCG IHGRN IPHAN-RN Ipuarana Jesuítas Jornal da Ciência José Octávio Juandi Juciene Apolinário Laboratório Lagoa Pleistocênica Lagoa de Pedra Lajedo de Soledade Linduarte Noronha Litoral Luto MAC Mato Grosso Matéria de TV Memórias do Olhar Mostra Museu Itinerante Ocupação humana Olivedos PROPESQ Paleo Paraíba Pará Pe. Luiz Santiago Pedro Nunes Pernambuco Pilões Pleistoceno Pocinhos Ponto de Cultura Projeto Catálogo Pré-História Pré-História submersa Quilombola Reivindicação Reportagem Revista Rio Paraíba SAB SBP SBPC Santa Luzia Sebo Cultural Seminário Semiárido Seridó Serra Branca Serra Velha Serra da Raposa Serra das Flechas Sertão Sessão Especial Sobrado Sumé São Mamede São Thomé do Sucurú Sócios TAAS Teleférico Terra Tome Ciência Técnicas Cartográficas UEPB Campus III Uol pelo Brasil Zonas arqueológicas caiabis mundurucu usina Índia Índios âmbar

Visitas desde SET 08

Translate

Estatísticas do google 2011

  © Arqueologia da Paraiba

Back to TOP