Este é o blog da Sociedade Paraibana de Arqueologia. Contato: sparqueologia@gmail.com

terça-feira, 9 de setembro de 2008

Arqueologia Experimental

Thomas Bruno Oliveira*




Estive integrando a equipe que escavou quatro sítios arqueológicos através do projeto ‘Cariri e Tarairiú: Cultura Tapuia no interior da Paraíba’ coordenado pelo arqueólogo e Professor da UEPB Juvandi de Souza Santos. Nestas atividades, pude conhecer outros pesquisadores e profissionais de outros estados, a exemplo dos arqueólogos Flávio Moraes e Onésimo Santos, ambos de Pernambuco.


Com eles, pude aprender muito a respeito do nosso passado indígena além de conhecer técnicas de escavação e pesquisa arqueológica e poder observar como pensam os arqueólogos, como percebem os vestígios e de que forma os analisa.



Nas duas últimas escavações, uma em Cuité-PB no sítio arqueológico Cabaças I e a outra em Seridó-PB no sítio Tanque do Capim, foi a arqueologia experimental que mais me chamou a atenção, atividade praticada pelo arqueólogo Onésimo, que está concluindo o doutorado em Pré-História na Universidade de Naterre, na França. Ele recolheu, em campo, um graveto e uma pequena tora de aroeira; com uma lasca de sílex fez um orifício nesta tora e iniciou a fricção do graveto, que em poucos instantes exalava um forte cheiro de madeira queimada. Estava na tentativa de ‘fazer fogo’ através deste método que fora empregado por populações antigas em várias partes do mundo.



Neste mesmo sítio, após uma breve caminhada no entorno, o experiente arqueólogo recolheu argila em uma das ravinas produzidas pela chuva na base da elevação que foi, em outrora, utilizada como pouso de comunidades nativas. Com estes torrões de argila, Onésimo produziu dois pequenos recipientes cerâmicos através do amassamento, dando forma as peças com os dedos polegares. No outro dia, estes utensílios foram cozidos em uma fogueira de galhos de marmeleiro, que deu as peças a rigidez e consistência apropriada para sua utilização.



Já no sítio Tanque do Capim, este arqueólogo lascou um pequeno núcleo de quartzo (mineral abundante na região) transformando-o em uma pequena ponta. Esta foi introduzida na extremidade de um galho de catingueira (que foi aberto ao meio), sendo após amarrada com fibras vegetais. Com intuito de fixar esta junção, Onésimo foi a busca de seivas de árvores como a Aroeira e a Baraúna, para impedir que a amarração pudesse soltar. Estava produzida uma flecha, que depois da confecção de um arco simples (feito com um galho de catingueira e uma corda), foi lançada de um lado para outro.



Estas experiências fizeram com que os integrantes destas expedições pudessem refletir a respeito da forma de vida destes nativos e de suas possibilidades de criação. Todas as experiências foram acompanhadas por explicações do próprio pesquisador que discernia citando informações de alguns autores como o tempo necessário e o método empregado por vários grupos humanos, em todo mundo, para produzir estes utensílios.



Foi uma experiência interessante, além do aprendizado que a própria atividade de escavação proporcionou, pude perceber um pouco mais de como os indígenas que por aqui viveram se apropriavam de seu ambiente e utilizava os recursos que o cercava.



*História UEPB, Sócio da SPA, IHGC e GEPAHI / thomasarqueologia@gmail.com

2 comentários:

Rodrigo,  15 de setembro de 2008 08:52  

Muito interessante esta nota, acho que só assim para entender melhor esses homens. Parabens pelo trabalho.

Joana DArc,  15 de setembro de 2008 09:02  

Meu amigo Thomas, mais uma vez lhe parabenizo assim como a todos participantes do projeto ‘Cariri e Tarairiú: Cultura Tapuia no interior da Paraíba’ pela seriedade e compromisso com essa ciência tão fascinante. Muito bom o artigo, parabéns pelo trabalho e sucesso!!!

Leia por assuntos

Boletim da SPA eventos Arqueologia evento Pedra do Ingá IHGP História Patrimônio Vandalismo Lançamento Paleontologia Rev. Tarairiú Campina Grande Centro Histórico João Pessoa Revista Eletrônica Arte IHGC Juvandi Tarairiú Carlos Azevedo Homenagem Livro Museu Arqueologia Histórica Artigo Cariri Diário da Borborema Arquivo Espeleologia História da Paraíba Inscrições Rupestres MHN UEPB Nivalson Miranda Pesquisas Vanderley Arte Rupestre Encontro da SPA Evolução Exposição Fósseis Itacoatiaras LABAP Patrimônio Histórico Soledade São João do Cariri Thomas Bruno Achado Arqueológico E-book Falecimento IPHAEP IPHAN Missões Projetos Queimadas Raul Córdula SBE Semana de Humanidades Serra de Bodopitá UEPB UFCG Vale dos Dinossauros Acervo Antropologia Arqueologia Experimental Barra de Santana Brejo Cabaceiras Capitania da Paraíba Cartilha Clerot Cordel Descaso Escavação Estudos Evolutivos FCJA Forte Ingá Itatuba Lagoa Salgada Memórias Natal Niède Guidon Palestra Patrimônio Arqueológico Pesquisador Piauí Serra da Capivara Serras da Paraíba São João do Tigre UBE-PB USP Uruguai Walter Neves África ALANE ANPAP APA das Onças Amazônia Amélia Couto Antônio Mariano Apodi Araripe Areia Arqueologia Industrial Arqueologia Pública Aula de campo Aziz Ab'Saber Bacia do Prata Belo Monte Biografia Boqueirão Brasil CNPq Camalaú Caraúbas Carta circular Casino Eldorado Ceará Cemitério Comadre Florzinha Concurso Cozinhar Curimataú Curso Curta-metragem Datação Dennis Mota Descoberta Dom Pedro I Dossiê Educação Ambiental Educação Patrimonial Elpídio de Almeida Emancipação política Espaço Cultural Esponja Exumação Falésia do Cabo Branco Fazendas de gado Feira de Campina Grande Fonte Histórica Forte Velho Funai Gargaú Geografia Geologia Geopark Guerra dos Bárbaros Guilherme História Viva Hominídeo IHCG IHGRN IPHAN-RN Ipuarana Jesuítas Jornal da Ciência José Octávio Juandi Juciene Apolinário Laboratório Lagoa Pleistocênica Lagoa de Pedra Lajedo de Soledade Linduarte Noronha Litoral Luto MAC Mato Grosso Matéria de TV Memórias do Olhar Mostra Museu Itinerante Ocupação humana Olivedos PROPESQ Paleo Paraíba Pará Pe. Luiz Santiago Pedro Nunes Pernambuco Pilões Pleistoceno Pocinhos Ponto de Cultura Projeto Catálogo Pré-História Pré-História submersa Quilombola Reivindicação Reportagem Revista Rio Paraíba SBP SBPC Santa Luzia Sebo Cultural Seminário Semiárido Seridó Serra Branca Serra Velha Serra da Raposa Serra das Flechas Sertão Sessão Especial Sobrado Sumé São Mamede São Thomé do Sucurú Sócios TAAS Teleférico Terra Tome Ciência Técnicas Cartográficas UEPB Campus III Uol pelo Brasil Zonas arqueológicas caiabis mundurucu usina Índia Índios âmbar

Visitas desde SET 08

Translate

Estatísticas do google 2011

  © Arqueologia da Paraiba

Back to TOP