Este é o blog da Sociedade Paraibana de Arqueologia. Contato: sparqueologia@gmail.com

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

A saga de nossa espécie: especialistas em evolução humana lançam obra de referência sobre o tema em português

A falta de livros em língua portuguesa sobre a evolução humana tem sido um vácuo de informação que há
muito tempo precisava ser superado. Essa deficiência se tornou mais grave recentemente com o avanço, no Brasil, do aparato da divulgação antievolucionista. Turbinadas por redes sociais, são cada vez mais propaladas mensagens falsas, como a da alegada escassez de registros pré-históricos e até mesmo de fósseis sobre eras mais distantes.

Não se trata de críticas — que podem e devem ser formuladas, por mais radicais que sejam, assim como em relação a todas as teorias científicas —, mas de peças de propaganda antidarwinista devidamente articuladas sob uma estratégia de desinformação promovida por adeptos do criacionismo e algumas de suas instituições.

A falta de literatura atualizada em português sobre a evolução humana também tem sido uma dificuldade no ensino superior brasileiro em biologia, antropologia e outras áreas afins. Eu já estava prestes a sugerir a amigos editores de livros a tradução de obras recentes, como, por exemplo, a coletânea de artigos The human past: World prehistory and the development of human societies, editada por Chris Scarre, professor de arqueologia da Universidade de Durham, no Reino Unido. Não cheguei a ler na íntegra essa obra, mas pude consultar alguns de seus trechos e fazer uma breve apreciação do conteúdo de sua terceira edição, de 2013, parcialmente disponibilizado em seu preview no site da Amazon.

Muito mais que suprir essa carência da divulgação científica no país e preencher uma lacuna do mercado editorial brasileiro, três pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), dedicados em suas respectivas áreas à evolução humana, organizaram uma obra que se destaca não só por sua ótima sistematização interdisciplinar do amplo conjunto de informações relativas ao tema, mas também por sua abordagem capaz de satisfazer tanto as exigências de rigor por parte dos especialistas, como as necessidades de clareza e didatismo por parte daqueles não familiarizados com esse assunto.

Distribuído em sete capítulos, o livro Assim caminhou a humanidade foi organizado pelo biólogo e antropólogo físico Walter Alves Neves, pelo biólogo e neurocientista Miguel José Rangel Júnior, e pelo historiador e antropólogo Rui Murrieta. Além dos três estudiosos da USP, a obra contou também com a colaboração de outros quinze especialistas de diferentes áreas de pesquisa que têm contribuído para a compreensão da evolução humana. Partindo da diversidade, da especificidade e da história evolutiva dos primatas desde o Paleoceno, há cerca de 65 milhões de anos, e do surgimento dos primeiros bípedes dessa ordem dos mamíferos, o livro apresenta a origem, a diferenciação em novas espécies e a dispersão geográfica dos hominídeos no Pleistoceno, a partir de 1,8 milhão de anos atrás, passando pela aparição dos neandertais e sua convivência na Eurásia com os Homo sapiens, que começaram a sair da África há cerca de 120 mil anos.

A história da saga humana prossegue com a expansão dos humanos modernos pelo globo terrestre, destacando as variações morfológicas dentro da espécie, os aspectos genéticos e anatômicos, a “explosão criativa” no Paleolítico Superior, quando a capacidade de pensar por meio de símbolos se materializou na forma de significados que hoje são detectáveis em utensílios e remanescentes de rituais, finalizando com o surgimento da agricultura, da domesticação de outras espécies e das sociedades complexas no Neolítico, pouco mais de 10 mil anos atrás.

Os capítulos são complementados não só por textos que auxiliam a compreensão sobre fundamentos dos conhecimentos e das técnicas envolvidos, mas também por tópicos denominados “O que há de novo no front?”. Esses, por sua vez, explicitam não só as descobertas ou hipóteses mais recentes sobre os temas em questão, mas também os limites do conhecimento sobre ele. E esse respeito com o que ainda não se sabe é também um dos pontos altos do livro.

É um grande privilégio para o público de língua portuguesa o lançamento de Assim caminhou a humanidade. Justamente por cumprir plenamente a função de obra de referência, o livro merece — assim como nós, leitores — que desde já seus organizadores comecem a produzir novas edições para atualizar toda a riqueza de informações que ele abrange.
(Maurício Tuffani)
Assim caminhou a humanidade
Walter Alves Neves, Miguel José Rangel Júnior e Rui Sérgio S. Murrieta (organizadores).
Palas Athena. 318 págs. 2015. R$ 58,00.

Fonte: http://blogdasciam.com.br/2015/08/15/livro-evolucao-humana/

0 comentários:

Leia por assuntos

Boletim da SPA eventos Arqueologia evento Pedra do Ingá IHGP História Patrimônio Vandalismo Lançamento Paleontologia Rev. Tarairiú Campina Grande Centro Histórico João Pessoa Revista Eletrônica Arte IHGC Juvandi Tarairiú Carlos Azevedo Homenagem Livro Museu Arqueologia Histórica Artigo Cariri Diário da Borborema Arquivo Espeleologia História da Paraíba Inscrições Rupestres MHN UEPB Nivalson Miranda Pesquisas Vanderley Arte Rupestre Encontro da SPA Evolução Exposição Fósseis Itacoatiaras LABAP Patrimônio Histórico Soledade São João do Cariri Thomas Bruno Achado Arqueológico E-book Falecimento IPHAEP IPHAN Missões Projetos Queimadas Raul Córdula SBE Semana de Humanidades Serra de Bodopitá UEPB UFCG Vale dos Dinossauros Acervo Antropologia Arqueologia Experimental Barra de Santana Brejo Cabaceiras Capitania da Paraíba Cartilha Clerot Cordel Descaso Escavação Estudos Evolutivos FCJA Forte Ingá Itatuba Lagoa Salgada Memórias Natal Niède Guidon Palestra Patrimônio Arqueológico Pesquisador Piauí Serra da Capivara Serras da Paraíba São João do Tigre UBE-PB USP Uruguai Walter Neves África ALANE ANPAP APA das Onças Amazônia Amélia Couto Antônio Mariano Apodi Araripe Areia Arqueologia Industrial Arqueologia Pública Aula de campo Aziz Ab'Saber Bacia do Prata Belo Monte Biografia Boqueirão Brasil CNPq Camalaú Caraúbas Carta circular Casino Eldorado Ceará Cemitério Comadre Florzinha Concurso Cozinhar Curimataú Curso Curta-metragem Datação Dennis Mota Descoberta Dom Pedro I Dossiê Educação Ambiental Educação Patrimonial Elpídio de Almeida Emancipação política Espaço Cultural Esponja Exumação Falésia do Cabo Branco Fazendas de gado Feira de Campina Grande Fonte Histórica Forte Velho Funai Gargaú Geografia Geologia Geopark Guerra dos Bárbaros Guilherme História Viva Hominídeo IHCG IHGRN IPHAN-RN Ipuarana Jesuítas Jornal da Ciência José Octávio Juandi Juciene Apolinário Laboratório Lagoa Pleistocênica Lagoa de Pedra Lajedo de Soledade Linduarte Noronha Litoral Luto MAC Mato Grosso Matéria de TV Memórias do Olhar Mostra Museu Itinerante Ocupação humana Olivedos PROPESQ Paleo Paraíba Pará Pe. Luiz Santiago Pedro Nunes Pernambuco Pilões Pleistoceno Pocinhos Ponto de Cultura Projeto Catálogo Pré-História Pré-História submersa Quilombola Reivindicação Reportagem Revista Rio Paraíba SBP SBPC Santa Luzia Sebo Cultural Seminário Semiárido Seridó Serra Branca Serra Velha Serra da Raposa Serra das Flechas Sertão Sessão Especial Sobrado Sumé São Mamede São Thomé do Sucurú Sócios TAAS Teleférico Terra Tome Ciência Técnicas Cartográficas UEPB Campus III Uol pelo Brasil Zonas arqueológicas caiabis mundurucu usina Índia Índios âmbar

Visitas desde SET 08

Translate

Estatísticas do google 2011

  © Arqueologia da Paraiba

Back to TOP