Por motivo de manutenção dos servidores da UEPB, os números anteriores do Boletim estão temporariamente inacessíveis.
Este é o blog da Sociedade Paraibana de Arqueologia. Contato: sparqueologia@gmail.com

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Comadre Florzinha: um romance na serra das Flechas


LITERATURA DE CORDEL

O mais recente trabalho do historiador Vanderley de Brito

Um homem da cidade perambulando no campo é sempre suspeito, principalmente se não levar em punho uma espingarda ou qualquer outro aparato da prática extrativista. Assim se apresenta o herói da trama, um pesquisador de arqueologia por sobre a selvagem Serra das Flechas, no interior do município de Pedra Lavrada.

Enquanto o pesquisador dorme calmamente em sua rede de campana, uma filha da mata, de olhos luzentes, crescidos de assombro, e fiel a todos seus instintos, fita curiosa o mistério, que nenhum anterior pode determinar-lhe um processo de comparação assimiladora. É uma imagem nova na noite selvagem, inédita nas reminiscências mentais da duende Comadre Florzinha, que se apresenta como sedução irresistível para um processo dedutivo de assimilação.

A selvagem, ao vê-lo acordar, questiona enciumada sobre suas intenções em sua floresta. E assim, se desenrola um instigante romance entre estas criaturas, tão distantes e ao mesmo tempo tão próximas, nas brenhas da caatinga paraibana.

Estamos falando do mais recente cordel do historiador Vanderley de Brito: “Comadre Florzinha: um romance na serra das Flechas”, um folheto, de 133 versos poéticos, que é uma adaptação romântica para decantar este mito sertanejo do interior paraibano, um cordel que, além de divertir, educar e resgatar uma tradição, como é característico de gênero literário, também provoca emoções e desperta desejos.

Na visão deste historiador, a Comadre Florzinha, além de ser uma defensora ferrenha do ecossistema semi-árido, é também uma fêmea, e como tal, sujeita a um amor fulminante e aos desejos e palpitações que o sexo desperta. Acostumada a surrar cães e seres humanos brutos e transgressores das leis da mata, ela encontra no pesquisador um homem compreensivo e cúmplice no desejo de manter a integridade dos animais e da flora silvestre. Daí, enquanto o estudioso se mantém em sua catalogação científica, eles se encontram diariamente, nas noites frias da caatinga, para demoradas conversas sobre o meio-ambiente, suas belezas, mistérios e, principalmente, sobre a forma que o processo contínuo e avassalador de degradação ambiental está em processo. Esta afinidade ideológica acaba por se desfechar numa paixão proibida entre a entidade mística e o homem da ciência.

O texto poético vai se tornando mais saboroso quando se iniciam os preâmbulos da conquista, aperitivos de uma necessidade de excitação á junção conubial que é, imagino, inevitável entre este casal nos esmos da mata odorífica do sertão.

O cordel faz parte da série arqueológica, idealizada pelo autor, e é a quarta publicação do gênero da Sociedade Paraibana de Arqueologia. Já está disponível nas bancas de revenda e vem sendo muito elogiado pela crítica literária, até aqueles mais ortodoxos estão aplaudindo às inovações que Vanderley vem trazendo à literatura de cordel. O trabalho, apesar de lidar com tema sertanejo e, às vezes, trazer a linguagem coloquial do meio rural, é deliciosamente erudito. Citando autores clássicos como Camões, Augusto dos Anjos, Ariano Suassuna, Clotilde Tavares e Câmara Cascudo, numa poesia métrica rebuscada, que é uma de suas marcas registradas de Vanderley de Brito, este poeta-historiador pretende restaurar a evidência do gênero trazendo-o para o academicismo, pois, segundo afirma: “O cordel perdeu sua característica de jornal do sertão, pois o matuto não mais lê cordel, agora ele vê televisão. Quem lê é o erudito e, por isso, é necessário que o cordel se adapte às exigências de quem gosta de boa literatura”.

O autor também afirma que não está descaracterizando a Caipora, pois, segundo suas perspectivas, a Comadre Florzinha só é vista como uma assombração zombeteira e cruel pelos homens rurais, pois são estes os principais interessados em subtrair da floresta a lenha e a caça e, naturalmente, estes são também os que sofrem os rigores da ira da duende. “Se olharmos por outro prisma, a Comadre Florzinha é uma defensora das matas, uma ecologista ativa. Portanto, uma entidade do bem”.

Para adquirir o exemplar, contactar o autor: vanderleydebrito@gmail.com
Imagens: capa do cordel e desenho de seu interior

1 comentários:

EDSON JOSE SANTOS CALADO 21 de fevereiro de 2009 08:21  

Parabens Vanderley pelo seu trabalho, gostei da história. são lenada que ficam marcadas para sempre, e devemos passar para os nossos filhos e netos, não podemos deixar apacar a historia do nosso povo.

Leia por assuntos

Boletim da SPA eventos Arqueologia evento Pedra do Ingá IHGP História Patrimônio Vandalismo Lançamento Paleontologia Rev. Tarairiú Campina Grande Centro Histórico João Pessoa Revista Eletrônica Arte IHGC Juvandi Tarairiú Cariri Carlos Azevedo Homenagem Livro Museu Arqueologia Histórica Artigo Diário da Borborema Arquivo Espeleologia História da Paraíba Inscrições Rupestres MHN UEPB Nivalson Miranda Pesquisas Thomas Bruno Vanderley Arte Rupestre Encontro da SPA Evolução Exposição Fósseis IPHAEP Itacoatiaras LABAP Patrimônio Histórico Soledade São João do Cariri Achado Arqueológico E-book Falecimento IPHAN Missões Palestra Piauí Projetos Queimadas Raul Córdula SBE Semana de Humanidades Serra de Bodopitá UEPB UFCG Vale dos Dinossauros Acervo Antropologia Arqueologia Experimental Barra de Santana Boqueirão Brejo Cabaceiras Capitania da Paraíba Cartilha Clerot Cordel Descaso Escavação Estudos Evolutivos FCJA Forte Ingá Itatuba Lagoa Salgada Memórias Natal Niède Guidon Patrimônio Arqueológico Pesquisador Serra da Capivara Serras da Paraíba São João do Tigre UBE-PB USP Uruguai Walter Neves África ALANE ANPAP APA das Onças Amazônia Amélia Couto Antônio Mariano Apodi Araripe Areia Arqueologia Industrial Arqueologia Pública Aula de campo Aziz Ab'Saber Bacia do Prata Belo Monte Biografia Brasil CNPq Camalaú Caraúbas Carta circular Casino Eldorado Cavidade Natural Ceará Cemitério Comadre Florzinha Concurso Cozinhar Cuité Curimataú Curso Curta-metragem Datação Dennis Mota Descoberta Dom Pedro I Dossiê Educação Ambiental Educação Patrimonial Elpídio de Almeida Emancipação política Espaço Cultural Esponja Exumação Falésia do Cabo Branco Fazendas de gado Feira de Campina Grande Fonte Histórica Forte Velho Funai Fórum Permanente Ciência e Cultura Gargaú Geografia Geologia Geopark Guerra dos Bárbaros Guilherme História Viva Hominídeo IHCG IHGRN IPHAN-RN Ipuarana Jesuítas Jornal da Ciência José Octávio Juandi Juciene Apolinário Laboratório Lagoa Pleistocênica Lagoa de Pedra Lajedo de Soledade Linduarte Noronha Litoral Luto MAC Mato Grosso Matéria de TV Memórias do Olhar Mostra Museu Itinerante Ocupação humana Olivedos PROPESQ Paleo Paraíba Pará Pe. Luiz Santiago Pedro Nunes Pernambuco Pilões Pleistoceno Pocinhos Ponto de Cultura Projeto Catálogo Pré-História Pré-História submersa Quilombola Reivindicação Reportagem Revista Rio Paraíba SAB SBP SBPC Santa Luzia Sebo Cultural Seminário Semiárido Seridó Serra Branca Serra Velha Serra da Raposa Serra das Flechas Sertão Sessão Especial Sobrado Sumé São Mamede São Thomé do Sucurú Sócios TAAS Teleférico Terra Tome Ciência Técnicas Cartográficas UEPB Campus III Uol pelo Brasil Zonas arqueológicas caiabis mundurucu usina Índia Índios âmbar

Visitas desde SET 08

Translate

Estatísticas do google 2011

  © Arqueologia da Paraiba

Back to TOP