Por motivo de manutenção dos servidores da UEPB, os números anteriores do Boletim estão temporariamente inacessíveis.
Este é o blog da Sociedade Paraibana de Arqueologia. Contato: sparqueologia@gmail.com

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

A Pedra do Ingá: uma pré-história da arte no Brasil


Luiz Galdino*


Em se tratando de possíveis documentos pictográficos e ideográficos no Brasil, nenhum outro talvez é tão evidente quanto aquele exemplar excepcional da Paraíba, conhecido como itacoatiara de Ingá ou pedra lavrada de Ingá. o monumento, composto de uma única pedra, repousa abandonado, em campo aberto, junto ao curso do rio Bacamarte, na localidade de Ingá, na Paraíba.


A pedra de Ingá, com seus relevos de acabamento esmerado destaca-se, imediatamente, como exemplar ímpar, diante do vasto acervo de itacoatiaras espalhado por todo o país. As inscrições são gravadas em baixo-relevo, mediante sulcos largos e profundos. Nos pontos melhor conservados, percebe-se, ainda, vestígios de uma antiga pintura que recobria o fundo dos sulcos.



Graças a essa camada de tinta, cujo oleado impermeabilizou a rocha, as insculturas conservaram-se brilhantes e polidas, resistindo às intempéries. No dorso da pedra estão gravados os signos mais variados: antropomórficos, zoomórficos, geométricos, caracóis e figuras de objetos rituais extremamente estilizados à maneira de verdadeiros ideogramas.



Em vista desse exemplar, parece não haver dúvida quanto a um genuíno sistema ideográfico. S signos estilizados ao extremo supõem um prolongado período de evolução e aprimoramento. Estranhamente, esse signário mostra-se único. Mais fácil imaginá-lo como a obra de um povo estranho que atravessou a região, não deixando outros testemunhos, do que pensá-lo como a evolução natural a partir dos exemplares mais primitivos existentes no resto do país.



Na região de Ingá, encontram-se alguns poucos ensaios aparentados com o monumento. São verdadeiros ensaios, compostos de dois ou três signos, mal acabados, como se fossem abandonados antes do término. No entanto, a tipologia está definida, exatamente como nos ideogramas da pedra lavrada...



Em vista desse documento, mais que discutir sobre a procedência ou não de uma escrita, levanta-se a questão já aventada em relação aos supostos registros astronômicos: como coadunar a presença desse signário próprio da idade dos metais, entre nossos grupos brasilíndios que aparentemente jamais superaram o estágio da indústria lítica?



* Especialista em História da Arte, membro do Instituto Paulista de Arqueologia e da Sociedade Paraibana de Arqueologia (correspondente em São Paulo).

1 comentários:

Joana DArc,  27 de novembro de 2008 18:57  

Essa pedra é sem dúvida fantástica. Seu valor e beleza é indescritível. Parabéns pelo artigo.

Leia por assuntos

Boletim da SPA eventos Arqueologia evento Pedra do Ingá IHGP História Patrimônio Vandalismo Lançamento Paleontologia Rev. Tarairiú Campina Grande Centro Histórico João Pessoa Revista Eletrônica Arte IHGC Juvandi Tarairiú Cariri Carlos Azevedo Homenagem Livro Museu Arqueologia Histórica Artigo Diário da Borborema Arquivo Espeleologia História da Paraíba Inscrições Rupestres MHN UEPB Nivalson Miranda Pesquisas Thomas Bruno Vanderley Arte Rupestre Encontro da SPA Evolução Exposição Fósseis IPHAEP Itacoatiaras LABAP Patrimônio Histórico Soledade São João do Cariri Achado Arqueológico E-book Falecimento IPHAN Missões Palestra Piauí Projetos Queimadas Raul Córdula SBE Semana de Humanidades Serra de Bodopitá UEPB UFCG Vale dos Dinossauros Acervo Antropologia Arqueologia Experimental Barra de Santana Boqueirão Brejo Cabaceiras Capitania da Paraíba Cartilha Clerot Cordel Descaso Escavação Estudos Evolutivos FCJA Forte Ingá Itatuba Lagoa Salgada Memórias Natal Niède Guidon Patrimônio Arqueológico Pesquisador Serra da Capivara Serras da Paraíba São João do Tigre UBE-PB USP Uruguai Walter Neves África ALANE ANPAP APA das Onças Amazônia Amélia Couto Antônio Mariano Apodi Araripe Areia Arqueologia Industrial Arqueologia Pública Aula de campo Aziz Ab'Saber Bacia do Prata Belo Monte Biografia Brasil CNPq Camalaú Caraúbas Carta circular Casino Eldorado Cavidade Natural Ceará Cemitério Comadre Florzinha Concurso Cozinhar Cuité Curimataú Curso Curta-metragem Datação Dennis Mota Descoberta Dom Pedro I Dossiê Educação Ambiental Educação Patrimonial Elpídio de Almeida Emancipação política Espaço Cultural Esponja Exumação Falésia do Cabo Branco Fazendas de gado Feira de Campina Grande Fonte Histórica Forte Velho Funai Fórum Permanente Ciência e Cultura Gargaú Geografia Geologia Geopark Guerra dos Bárbaros Guilherme História Viva Hominídeo IHCG IHGRN IPHAN-RN Ipuarana Jesuítas Jornal da Ciência José Octávio Juandi Juciene Apolinário Laboratório Lagoa Pleistocênica Lagoa de Pedra Lajedo de Soledade Linduarte Noronha Litoral Luto MAC Mato Grosso Matéria de TV Memórias do Olhar Mostra Museu Itinerante Ocupação humana Olivedos PROPESQ Paleo Paraíba Pará Pe. Luiz Santiago Pedro Nunes Pernambuco Pilões Pleistoceno Pocinhos Ponto de Cultura Projeto Catálogo Pré-História Pré-História submersa Quilombola Reivindicação Reportagem Revista Rio Paraíba SAB SBP SBPC Santa Luzia Sebo Cultural Seminário Semiárido Seridó Serra Branca Serra Velha Serra da Raposa Serra das Flechas Sertão Sessão Especial Sobrado Sumé São Mamede São Thomé do Sucurú Sócios TAAS Teleférico Terra Tome Ciência Técnicas Cartográficas UEPB Campus III Uol pelo Brasil Zonas arqueológicas caiabis mundurucu usina Índia Índios âmbar

Visitas desde SET 08

Translate

Estatísticas do google 2011

  © Arqueologia da Paraiba

Back to TOP